Nós, Cidadãos! faz balanço da governação regional em 2017

28 Dez 2017 / 12:01 H.

Num comunicado assinado pelo vice-presidente do NC – Madeira e Porto Santo, Miguel Costa, o Nós, Cidadãos! classifica 2017 de um ano de “promessas por cumprir” e “insucessos” na governação da Região, fazendo referência às ‘questões quentes’ do ano nas diferentes áreas de actividade regional.

EDUCAÇÃO: “Um futuro que perpetua adiado”

O financiamento de cursos de educação e formação para adultos; a falta de profissionais no apoio psicológico prestado nos Serviços de Psicologia e Orientação e de professores para substituição de docentes de baixa médica; a gratuitidade dos manuais escolares para todos os alunos do 1º ciclo do ensino básico; as necessárias obras de renovação de infra-estruturas físicas em algumas escolas, assim como a construção das duas novas escolas “há muito prometidas e sucessivamente adiadas”; a falta de equipamentos informáticos, materiais de laboratório e novos livros nas bibliotecas escolares, entre outros equipamentos, são alguns dos problemas apontados pelo movimento nesta área.

SAÚDE: “Em estado de fragmentação”

São vários os problemas “crónicos” no Serviço Regional de Saúde da RAM, frisa o Nós, Cidadãos!. E dá como exemplos: o caso das listas de espera; das altas problemáticas; da situação de viaturas de transporte de doentes do SESARAM; a demissão do director do Serviço de Psiquiatria do SESARAM e do seu progressivo desmantelamento; a demissão do director do Serviço de Cardiologia; a demora na conclusão dos trabalhos de remodelação do Centro de Saúde do Bom Jesus; o abandono da obra do edifício que serviria para instalação do Sistema de Tratamento por Micro-ondas de Resíduos, junto ao Hospital Dr. Nélio Mendonça; a periódica falta de medicamentos na farmácia hospitalar; a inexistência de um plano estratégico no SRS para resolver situações de promiscuidade entre sectores público e privado; as obras abandonadas/suspensas no “velho” Hospital Dr. Nélio Mendonça; o financiamento e construção do novo hospital público na RAM.

AMBIENTE: “Actividade cosmética”

“A Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais não desenvolve uma política consistente e eficaz, preferindo apostar em intervenções pontuais à medida que os assuntos ganham contornos mediáticos”, acusa o partido, referindo-se sobretudo à prevenção de incêndios florestais.

Por outro lado, o Nós, Cidadãos! frisa que as taxas de reciclagem na Madeira “teimam em não evoluir, sendo nos concelhos à responsabilidade da Águas e Resíduos da Madeira (ARM), tutelada pelo Governo Regional, onde se encontram os piores desempenhos, em alguns casos abaixo de 10%”.

Também o Porto Santo continua a aguardar (numa espera que se prolonga há mais de duas décadas) pela concretização dos Programas de Ornamento da Orla Costeira.

AGRICULTURA E PESCAS: “Não passa da cepa torta”

No agricultura, a rega é apontada como um dos principais constrangimento na produção agrícola. Descurada fica também a agricultura biológica, que “apesar da maior atenção que muitos agricultores lhe têm dedicado, não tem merecido a aposta da Secretaria Regional da Agricultura”, como provam “os parcos” apoios previstos no PRODERAM 2020” e a prometida valorização dos produtos e dos próprios agricultores, fica aquém das expectativas, “continuando os intermediários a levar a fatia de leão do rendimento retirado da terra”.

Nas pescas, a renovação da frota tradicional continua a ser “uma miragem”, o Nós, Cidadãos! A falta de empenho na criação de condições para a prática da actividade piscatória e de avaliação e protecção dos recursos piscícolas são outras das falhas apontadas.

Perante este balanço ‘desanimador’, o Nós, Cidadãos! conclui fazendo votos de que a sociedade civil madeirense e portossantense procure uma alternativa à actual governação nas próximas eleições regionais de 2019.