Médica madeirense doutorada “confirma excelência da investigação clínica na Região”

11 Jul 2018 / 20:10 H.

A médica madeirense Andreia Micaela de Sousa Pereira, assistente hospitalar do serviço de Cardiologia do Hospital Dr. Nélio de Mendonça e membro da sua equipa clínica e investigadora principal do Centro de Investigação, obteve recentemente o grau de doutoramento.

Refira-se que este ano é a segunda vez que o Centro de Investigação Dr.ª Maria Isabel Mendonça, do SESARAM, obteve um doutoramento em Medicina, na pessoa de técnicos a ele adstritos.

A médica Andreia Pereira, portadora de “um excelente currículo do qual fazem parte diversos prémios europeus completou, de forma brilhante, as suas provas de doutoramento no ramo da Medicina/Investigação Clínica centradas na discussão da tese intitulada ‘Componente Genético da Doença Coronária e Interacção com os Factores de Risco Tradicionais’”.

Toda a investigação científica subjacente ao seu trabalho, e que se prolongou ao longo dos últimos cinco anos, foi totalmente efectuada na Madeira, especificamente no Laboratório de Genética Humana da Universidade da Madeira e no Centro de Investigação Dr.ª Maria Isabel Mendonça do SESARAM e teve como orientadores a médica Isabel Mendonça, directora daquela Unidade e Roberto Palma dos Reis, professor agregado da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa/Nova Medical School.

Do trabalho realizado pela médica Andreia Pereira resultou a possibilidade de utilização, na prática clínica, de uma nova metodologia baseada em marcadores genéticos de risco cardiovascular. A associação destes marcadores em ‘scores’ de risco pode contribuir, num futuro próximo, para melhorar o diagnóstico, o prognóstico e personalizar a terapêutica na Doença Coronária Isquémica.

As provas finais decorreram no passado na primeira semana de Julho na Sala dos Actos da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa e obtiveram a classificação final de “nota máxima com distinção e louvor por unanimidade total do Júri.”

Presidiu ao júri o catedrático Fernando Nolasco, professor da NMS/Faculdade de Ciências Médicas e foram arguentes os catedráticos Lino Manuel Martins Gonçalves, da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, José Carlos de Magalhães Silva Cardoso, catedrático associado da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Nuno Cardim docente auxiliar da Universidade Nova de Lisboa e Roberto Palma dos Reis, professor associado da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

Refira-se que durante este doutoramento da médica madeirense Andreia Pereira, foi realçado o fato de ter sido possível reunir, na base do trabalho apresentado, uma população de cerca de 3000 indivíduos (doentes coronários e população normal), todos caracterizados geneticamente e a nível de factores de risco ambiental e com um seguimento prospectivo de mais de cinco anos.

Outras Notícias