Mais de 75 mil visitaram pavilhões da Festa da Flor da Madeira

19 Mai 2017 / 22:07 H.

O presidente do Governo madeirense disse hoje que mais de 77 mil pessoas visitaram o pavilhão de exposição da Festa da Flor, o que demonstra o sucesso deste cartaz que será prolongado para quatro semanas no próximo ano.

“Esta ideia de prorrogar a Festa da Flor [da Madeira] para três semanas tem resultado num grande sucesso disse Miguel Albuquerque no lançamento do livro “Orquídeas, da seleção natural ao quase irreal -- cultivo pavilhões e sucesso na Madeira”, da autoria de Pedro Spínola.

O governante madeirense apontou que “são quase de 77 mil visitantes” registados nos pavilhões de exposição de flores colocados na Praça do Povo, na marginal do Funchal nas últimas três semanas.

“Para o próximo ano vamos ter quatro semanas e, portanto, temos de ter mais de 140 mil. Mas vamos reforçar também o orçamento”, declarou.

O Governo Regional da Madeira investiu este ano 422 mil euros na organização da Festa da Flor, evento que decorre entre 04 e 21 de maio, período em que a taxa de ocupação hoteleira rondou, segundo os dados da secretaria regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, 90%, sendo considerado um dos maiores cartazes turísticos do arquipélago.

Miguel Albuquerque elogiou a nova publicação, destacando que a Madeira tem de aproveitar o seu potencial, “como uma das zonas do mundo com a maior variedade de produção de plantas”.

O governante madeirense, que é também conhecido pela sua paixão pelas rosas, considerou que se vive “num mundo complicado do ponto de vista da botânica”, salientando que “70% das variedades de orquídeas são suscetíveis de serem criadas na região”.

Albuquerque recordou que sendo a orquídea “uma planta exótica, eram plantas muito procuradas pela aristocracia europeia e daí a sua introdução na Madeira”.

O chefe do executivo madeirense ainda sustentou que o autor do livro é “uma peça imprescindível” na divulgação e no desenvolvimento do trabalho “na área da formação e produção das orquídeas e difusão junto dos jovens do cultivo prático das orquídeas”

Realçou pretender “aproveitar o conhecimento no âmbito de reabilitação dos jardins da Madeira” que está em curso, apontando para a importância da “introdução das orquídeas numa vertente histórica patrimonial, porque alguns jardins [da ilha] estão ligados à passagem dos rostos da grande aristocracia europeia”.

A introdução de uma “pequena estufa de orquídeas” no Museu do Romantismo que pretende criar na freguesia do Monte, no concelho do Funchal, e de um orquidário no projeto de reabilitação do Jardim Botânico da Madeira foram duas ideias deixadas por Miguel Albuquerque nesta iniciativa.

Tópicos