JPP quer extinção “pura e imediata” das quatro sociedades de desenvolvimento

25 Fev 2018 / 15:20 H.

O partido JPP anunciou, em conferência de imprensa realizada esta manhã na Praça do Povo, a apresentação na Assembleia Legislativa da Madeira de uma iniciativa para “a extinção pura e imediata” das quatro sociedades de desenvolvimento detidas pela Região, por entender que são “sorvedouras de dinheiros públicos” e exemplos de “irresponsabilidades financeiras”.

O deputado Élvio Sousa, porta-voz da acção político, descreveu que as referidas empresas públicas “têm capital investido acima dos 3 milhões de euros e 343 milhões de resultados negativos”. São “empresas criadas com dinheiros públicos, tecnicamente falidas, autênticas sorvedouras de dinheiros dos contribuintes e o mais agravante possível a última transferência de 32 milhões da Vice-Presidência para estas sociedades em 2018”, acrescentou o mesmo político.

Perante esta “autêntica falta de planeamento e irresponsabilidade financeira”, o grupo parlamentar do JPP sugere quatro medidas: a extinção imediata das quatro sociedades de desenvolvimento; a integração dos seus funcionários na administração pública regional; a integração do seu património na empresa pública PATRIRAM; e a integração dos “activos e passivos” na Vice-Presidência.