Jaime Leandro coloca lugar à disposição para que Emanuel Câmara esteja “completamente desamarrado em relação ao passado”

O socialista disse que entende a solução encontrada pelo partido, rumo às Eleições Legislativas Regionais de 2019, embora não tenha concordado com a maneira como ela foi proposta

20 Jan 2018 / 12:45 H.

Jaime Leandro, líder do grupo parlamentar do PS/M, colocou o seu lugar à disposição depois de saber os resultados das eleições internas do partido, onde Emanuel Câmara venceu com 57%, derrotando Carlos Pereira com 43%.

O socialista disse que este desfecho “foi a democracia interna do partido socialista a funcionar” e, apesar de não estar ao lado da maioria, garantiu que “não existe qualquer tipo de incompatibilidade”.

“Por vezes nós estamos do lado da maioria que ganha e por vezes não, o que é o meu caso. Mas não quer dizer que com isto existe algum tipo de incompatibilidade, até porque tive a oportunidade de desejar as maiores felicidades ao novo líder no desempenho do seu cargo”, afirmou.

Quanto à liderança parlamentar disse que é “óbvio” que havendo um novo presidente do partido, este tem que estar “completamente desamarrado em relação ao passado” e escolher para novo líder da bancada socialista “quem ele entender”.

“E, portanto, quis deixar o espaço perfeitamente livre para ele tomar as opções que são as melhores para o partido e não ter ninguém a atrapalhar”, justificou, dizendo que “não vale a pena criar problemas onde eles não existem”.

Em relação ao discurso de Emanuel Câmara, que repetiu vezes sem conta que iria vencer todos os concelhos nas Eleições Legislativas Regionais de 2019, porque tem ao seu lado o “homem certo, que é Paulo Cafôfo”, referiu que espera que o partido consiga finalmente chegar à ‘Quinta Vigia’. Isto apesar de não ter concordado com a forma como tudo foi feito.

“Eu entendo a solução embora não tenha concordado com a maneira como ela foi proposta, mas não deixa de ser uma solução que já provou dar resultados ao nível da Câmara Municipal do Funchal. E, portanto, não é nenhuma desinteligência a apontar nesse sentido. Resta ver como é que se operacionaliza tudo isso dentro do partido para que haja uma simbiose perfeita entre os interesses do partido e os interesses de quem não está no partido, embora Paulo Cafôfo esteja ligado ao PS/M”, realçou, acrescentando que todos os anseiam ter um Governo socialista.

Apesar de não ter “o condão da adivinhação”, Jaime Leandro disse que há indícios de que isso seja possível, apesar de considerar que uma eleição regional é diferente de uma eleição municipal.

“Resta saber que ambiente político teremos daqui a um ano e meio e em que circunstâncias estará o partido socialista”, concluiu.

Tópicos

Outras Notícias