‘História do DIÁRIO na História da Madeira’ contada em 1.888 páginas

Obra composta por três volumes é lançada hoje no Museu de Imprensa, em Câmara de Lobos, pelas 17 horas

11 Out 2018 / 08:38 H.

As 46.060 edições que contam ‘a História do DIÁRIO na História da Madeira’ surgem hoje em livro, a lançar pelas 17 horas, em cerimónia que tem como palco o Museu de Imprensa, em Câmara de Lobos.

Uma obra que assinala os 140 anos de um jornal que começou na Monarquia, passou pela Implantação da República, foi testemunha e interveniente activo na defesa dos interesses dos madeirenses durante o período da ditadura, deu vivas ao 25 de Abril, defendeu acerrimamente a Autonomia e entrou num novo milénio travando batalhas difíceis que acabaram por ser ganhas numa luta sem paralelo em toda a sua história.

São 1.888 páginas divididas em três volumes que mais do que repetir edições consultáveis nos arquivos, revelam factos marcantes nas notícias publicadas em cada época.

O primeiro volume começa com a primeira edição, a 11 de Outubro de 1876 e termina com as últimas notícias alusivas ao regime ditatorial. O segundo volume arranca com a Revolução de Abril e estende-se até Junho de 1993, dando lugar, ao terceiro volume que começa em Julho de 1993, mês em que o DIÁRIO surge, pela primeira vez e de forma diária, a cores, revolucionando a imprensa regional e ganhando cada vez mais leitores.

Este volume termina na edição número 46.060, a mesma que assinala os 140 anos de um matutino que continua a manter os princípios de sempre: “Este jornal não tem, nem pode ter, caracter político. Aprecia os factos, julga-os com justiça, louva ou censura sem outro intuito que não seja o ser justo, o de ser coerente com a opinião pública.”

Estes três volumes da ‘História do Diário de Notícias na História da Madeira’ pretendem ser uma singela, mas respeitosa, homenagem a todos os homens e mulheres que deram o seu contributo para chegarmos até aqui. Tal como foi escrito em 1946, “morreram já muitos dos antigos assinantes do Diário de Notícias. Mas este jornal passa de pais a filhos, de avós a netos, entrou nos hábitos e nas tradições das famílias – lendo-o, todos os dias, e a vida da Madeira que se vai desenrolando e a própria história da ilha que se vai fazendo...”.

O exaustivo trabalho de recolha dos momentos marcantes da história informativa do DIÁRIO esteve a cargo da Arteleia, numa missão que foi coordenada pela jornalista e biógrafa Sónia Silva Franco. Na edição de hoje do DIÁRIO quando questionada sobre que podem os leitores esperar desta obra, a autora é clara: “Nestes três volumes, fizemos uma compilação extremamente variada em termos de assuntos. Há os mais divertidos e os mais sérios; as lutas, a influência surpreendente que o Diário teve nas decisões que foram tomadas na Madeira, as ideias que foram postas em prática graças aos “alvitres” dos jornalistas desta casa, as iniciativas que muitos vão ficar de queixo caído ao perceberem que hoje em dia ainda existem graças ao próprio Diário que sempre teve nas suas redacções pessoas que estavam muito à frente do seu tempo”.

A cerimónia de apresentação e lançamento do livro vai contar com a presença de cerca de 300 convidados e será transmitida em directo nesta plataforma digital e na TSF.

Tópicos

Outras Notícias