Governo Regional vai repovoar Porto Santo com coelhos bravos

Será em locais seleccionados pelos serviços do Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, com a colaboração dos caçadores locais

25 Jan 2017 / 14:27 H.

A mortandade que se verificou no final de 2016, nos coelhos bravos do Porto Santo, foi provocada pela doença hemorrágica viral (DHV-V2) que levou a que o Governo Regional determinasse o encerramento antecipado do período venatório para esta espécie na ilha.

Conforme lembra a Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais, esta nova estirpe do vírus da DHV foi caracterizada por um elevado grau de contágio e de mortalidade, que provocou efeitos nefastos sobre as populações de coelho bravo, reduzindo-as drasticamente.

“Sendo o coelho bravo a principal espécie cinegética da nossa Região e fazendo parte da cadeia alimentar de outras espécies, a secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais, através do Instituto das Florestas e Conservação da Natureza (IFCN), procedeu, no início de dezembro, à captura de alguns destes animais na ilha da Madeira, com o objectivo de realização de repovoamentos, na ilha do Porto Santo, caso seja necessário”, refere a tutela do Ambiente em nota enviada à imprensa.

Acrescenta que, em colaboração com a Direcção de Serviços de Alimentação e Veterinária, todos os coelhos bravos capturados “estão a ser sujeitos a um controlo exigente do seu estado hígido, tendo sido também, iniciado o protocolo de vacinação contra a nova variante de DHV”.

E revela que “estes coelhos poderão ser utilizados para repovoamento das áreas de aptidão cinegética da Ilha do Porto Santo, em locais previamente seleccionados pelos serviços do IFCN, com a colaboração dos caçadores locais”.

E adianta que o IFCN está a acompanhar o estado evolutivo da colónia de coelhos e dos bandos de perdiz vermelha nas principais áreas cinegéticas da ilha “de modo a manter informação actualizada sobre a condição das espécies cinegéticas do Porto Santo”.