Fotojornalista premiado e Liliana Rodrigues denunciam violação dos direitos das crianças no Senegal

23 Nov 2017 / 17:52 H.

A convite da eurodeputada Liliana Rodrigues, o fotojornalista Mário Cruz, premiado pelo World Press Photo em 2016, participou hoje de manhã numa troca de pontos de vista intitulada ‘O direito das crianças à educação: escolas de Daara, Senegal”’ no âmbito da Comissão dos Direitos Humanos.

Mário Cruz passou cerca de um mês e meio, em 2015, entre a Guiné-Bissau e o Senegal, a reunir fotografias com o objectivo de expor a realidade das crianças nas escolas Daara, academias tradicionais corânicas que não pertencem ao sistema educativo formal senegalês, para onde as famílias enviam os seus meninos, os talibés, para que sejam educados numa tradição religiosa e moral muçulmana.

De acordo com a Human Rights Watch, pelo menos 50 mil destes rapazes são forçados a mendigar nas ruas senegalesas. O fotojornalista, durante o seu discurso, revelou que aquilo que viu e fotografou foi “terrível” e que o que existe no Senegal não é um sistema de educação, mas sim um sistema de “exploração”, em que crianças entre os cinco e os quinze anos se encontram obrigadas a “estar mais de oito horas a pedir esmolas”, sendo possível ver-lhes o “medo nos seus olhos perante a indiferença da sociedade senegalesa”. Mário Cruz alertou, ainda, para o facto de ter visto crianças a serem “espancadas” na sua presença.

Liliana Rodrigues, eurodeputada madeirense eleita pelo Partido Socialista, afirmou que é preciso “trabalhar para garantir o direito internacional” no Senegal, acrescentando que neste momento existem provas de “uma realidade muito escondida, que deixou de a ser com as fotografias do Mário Cruz”, esperando agora que o “Parlamento tome uma decisão em relação a esta situação”.

Na sequência da intervenção de Liliana Rodrigues e sensibilizado pelo tema, António Panzeri, Coordenador da Comissão dos Direitos Humanos, prometeu tudo fazer para levar este debate a plenário, já no próximo mês de Dezembro, com caracter de urgência.

Entre 2008 e 2013, o Senegal recebeu da União Europeia (UE) 340.3 milhões de euros. Em 2016 a UE libertou cerca de 60 milhões para projectos de parceria e em 2017 contribuiu com 4.1 milhões de euros na ajuda humanitária de combate à subnutrição que atinge 20.400 crianças naquele país.