Em campanha no Porto Santo, Carlos Pereira acusou a candidatura adversária de “bicéfala e anedótica”

O actual líder do PS e candidato a mais um mandato, quer continuar a fazer crescer o PS na Madeira, atirou-se a Cafofo e a Emanuel Câmara e diz estar preocupado com vários assuntos que prejudicam a vida dos porto-santenses.

14 Jan 2018 / 15:19 H.

O actual líder e candidato à liderança do PS Madeira, esteve ontem no Porto Santo, para fazer campanha junto dos militantes socialistas locais.

Carlos Pereira esteve em contactos durante a manha por vários sítios da ilha dourada e almoçou num restaurante local com socialistas porto-santenses. Contactado pelo DIARIO, salientou estar no Porto Santo para “relembrar o projecto em causa” e explicar “as ideias e a moção estratégica”.

Durante a visita ao Porto Santo, Carlos Pereira deixou fortes criticas ao seu adversário nestas eleições internas. “Hoje as eleições do partido socialista têm uma importância significativa, porque esta direcção deu essa mesma importância, porque puxou o partido para cima, colocando os madeirenses de olhos postos no PS”, referiu o actual líder do partido, acusando o seu adversário de ter “uma candidatura bicéfala, com dois candidatos, um candidato a presidente do PS Madeira e outro candidato a Presidente do Governo Regional”.

Para Carlos Pereira, todo este processo parece-lhe “confuso” e até “um pouco anedótico” e diz mesmo que “é como se fosse um candidato por procuração”. Lamenta que Emanuel Câmara não queira debater, falar nem responder a perguntas, muito menos “ dar explicações importantes aos militantes sobre o seu programa de governo e sobre o que quer fazer com o PS”.

Para o candidato á liderança do PS-Madeira, “é muito importante que o partido continue a ter este crescimento entre 2017 e 2019 e questiona aos militantes “quem está mais bem preparado para colocar o partido socialista na frente”.

Carlos Pereira deixou claro que o Porto Santo tem uma palavra importante a dizer em todo este processo, porque quem ganhar tem de conhecer os assuntos importantes, como a mobilidade marítima, o turismo e a agricultura, de forma a delinear uma estratégia de apoio aos porto-santenses.