CDS quer rendas mais baixas no Mercado dos Lavradores

09 Fev 2018 / 11:37 H.

Numa sexta-feira, dia de grande movimento no Mercado dos Lavradores, a praça do peixe tinha metade das bancas vazias. A situação foi constatada pelo CDS que esta manhã esteve a distribuir o seu jornal ‘Dito e Feito’ e a ouvir os comerciantes.

“Este mercado não pode ser descaracterizado, deve manter a sua identidade. Hoje, sexta-feira, constatamos que a praça do peixe tem metade das bancas vazias”, lamentou Rui Barreto.

“Temos de reflectir para encontrar soluções, baixando as rendas das bancas, porque se metade está vazio, pelo que ouvimos é divido aos preços exagerados que são praticados”, afirma o deputado e autarca centrista.

Rui Barreto considera importante ouvir os comerciantes para encontrar outras formas de dinamizar a praça do peixe. “Eventualmente evoluindo para a venda de peixe para outras utilidades, congelados e mariscos. Também devemos obrigar a que a Lota tenha uma quota para os vendedores de peixe na praça”, afirma.

“Não podemos descaracterizar e nunca transformar esta mercado num espaço de restauração, como alguns querem fazer”, conclui.

Outras Notícias