Calado pede a Centeno “reconhecimento” pelo esforço dos madeirenses

Lisboa /
13 Nov 2017 / 19:39 H.

Pedro Calado foi recebido, hoje, pelo ministro das Finanças, a quem apresentou os diversos dossiers pendentes, entre a Região e a República. Segundo o vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Mário Centeno mostrou-se “sensível” às questões levantadas.

Calado fez questão de recordar o “esforço” que foi pedido aos madeirenses, nos últimos anos, que permitiram consolidar a dívida e as contas públicas e sair do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF).

Um esforço que permitiu construir uma imagem de “rigor” nas contas regionais que deve ser “reconhecido” pela República.

“Todo o trabalho de casa foi feito, chegou a hora de termos o reconhecimento”, justifica o vice-presidente do governo regional.

Pedro Calado reconhece que há muitas questões pendentes com a República mas, neste momento, a urgência vai para as dívidas de Lisboa à Região.

Em causa estão cerca de 140 milhões de euros em dívida. Cerca de 70 milhões da sobretaxa de IRS que tem sido retida ao nível nacional, dívidas fiscais anteriores de mais de 30 milhões e 12 milhões relativos a um spread anual de um financiamento do Estado. “Não faz qualquer sentido, porque a República não é um banco”, sublinha.

Um conjunto de situações que criam dificuldades ao governo regional e que Calado espera ver resolvidas.

“O senhor ministro mostrou-se muito receptivo, sensível aos argumentos que apresentámos. Tanto o ministro como a sua equipa, mostraram-se conhecedores dos problemas que estava a apresentar”, afirmou.

Pedro Calado pediu ao Ministério das Finanças maior celeridade na resolução dos problemas e que fossem deixadas de parte as questões partidárias.

Tópicos