“A grande ansiedade é querer ver preto no branco”, diz coordenador do Sindicato Independente de Professores da Madeira

20 Jun 2018 / 18:58 H.

Ficou concluído, esta quarta-feira, o bloco de três plenários marcados pelo Sindicato Independente de Professores e Educadores (SITE) da Madeira para discutir a solução encontrada pelo executivo regional para o descongelamento da carreira docente: “Discutimos a proposta da Secretaria Regional de Educação (SRE) para a recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias, e a opinião dos sócios é que é boa. Quase 100% concorda e aceita a proposta”, disse ao DIÁRIO Paulo Sanros, coordenador do SITE.

Agora, conta o professor, a “grande ansiedade é querer ver tudo preto no branco. Os sócios querem ver a efectividade [da proposta]” e alguns docentes defendem que os “efeitos entrem em vigor a 1 de Janeiro de 2019 [em vez de a 1 de Setembro]”.

Para Paulo Santos as “notícias são boas”, já que acredita que “quando se consegue gerar consensos, todos ganham com isso: os professores e o sistema educativo”.

Durante as reuniões, os membros do SITE discutiram ainda sobre o sistema de avaliação dos professores: “É sempre um processo difícil, mas pensamos que o relatório de auto-avaliação deve ter uma nota quantitativa no fim de cada ano escolar”. Isto porque, acreditam muitos destes sindicalistas, “haveria transparência no processo e era uma forma de aperfeiçoar o desempenho dos professores”.

A avaliação dos professores, sublinha Paulo Santos, será discutida até ao final de Junho.