“E tudo o mar levou”

13 Mar 2018 / 02:00 H.

    E agora caros leitores! Já viram o que a fúria do mar fez na praia do Porto Santo? Sim, desta vez a natureza fez das suas e transformou o mar em montanhas, as dunas em arribas, e a areia em pedras. E, assim ficou devastado e comprometido um destino de sonho, um paraíso que anda a passo de caracol, um futuro já por si débil e limitado no tempo e no espaço. Mas, o que é que mudou no porto Santo desde há 20 ou 30 anos atrás? “Se bem me lembro”... Construíram alguns hotéis onde já se pratica o regime de all inclusivé, asfaltaram algumas estradas para o rally, construíram um porto de abrigo para onde a areia se tem direcionado, transformaram as Casas das Lanchas em residências de praia, e mais recentemente renovaram o contrato de arrendamento da Baiana! A grande mudança para muito pior aconteceu agora. O mar enraiveceu e, embora se diga que é cíclico, desta vez é crítico. Se até às férias da Páscoa o mar não devolver parte da areia, a Sra. Secretária Regional do Ambiente e Recursos Naturais, Susana Prada, tem supostamente a solução. Retirar do porto de abrigo a areia lá acumulada e acudir as situações mais problemáticas, nomeadamente as ditas Casas das Lanchas que ficaram ameaçadas e obviamente sem as lanchas (!). E agora, a meu ver, no resto da extensão de toda a praia a ordem deverá ser para recuar: Casas e outros interesses privados, para cima e, areia das arribas (dunas) para baixo. Confesso que começo a ficar animado com esta nova dinâmica! Como os enrocamentos e as marinas não têm sido alvo de elogios por cá, por esse motivo desaconselham-se também lá.

    Vicente Sousa

    Outras Notícias