Aproveitamento descarado

14 Ago 2017 / 02:00 H.

    Parece que foi ontem, mas já passou um ano.

    Fui um dos afetados pelos incêndios de há um ano. Naquela noite de terror, na minha zona, muitas casas foram ameaçadas e algumas delas ficaram mesmo destruídas. Valeu, a muitos de nós, a ajuda entre vizinhos, numa primeira fase, e a dos bombeiros logo a seguir. Conseguiu-se evitar o pior.

    Alguns de nós ainda aguardam pelas promessas feitas na altura, nomeadamente pelo Sr. Presidente da Câmara que, perante as câmaras de TV que ali foram ter com ele, afirmava que a ação da autarquia seria imediata e que ninguém ficaria esquecido.

    Passou-se um ano. Na minha zona, já há casas reconstruídas e alguns que tinham sido realojados já puderam regressar ao seu lar. Mas nem um dos casos teve intervenção ou apoio da Câmara. O apoio que sabemos ter sido dado veio da Secretaria da Inclusão, do Instituto de Habitação e de diversas instituições.

    Fui agora surpreendido com uma notícia do Diário, referente à inauguração de uma escultura, na rotunda da Fundoa, em memória das vítimas dos incêndios.

    Não sei quanto terá custado. Li na net que custou 90.000 euros. Tendo ou não um custo desta dimensão, alguma coisa terá custado. E mesmo que não tivesse tido custo nenhum, o que me faz muita confusão é que havendo tanta gente ainda à espera de algum apoio para reconstruir a sua casa, a CMF ache prioritária a colocação de esculturas. Por favor, primeiro resolvam os problemas das pessoas. Deixem o show-off para depois.

    Leitor Identificado

    Outras Notícias