A triste Síria incomoda a todos

14 Mar 2018 / 02:00 H.

    Definitivamente, isto tem de acabar, é macabro demais aquilo a que temos assistido. No entanto, culpar Bashar al-Assad e a Rússia pelos acontecimentos é algo com que não concordo. Primeiro, o exército sírio combate em várias frentes, com rebeldes de diversos quadrantes e ideologias, alguns verdadeiros assassinos e criminosos sem o menor pudor. A frente al Nusra (braço armado da Al-Qaeda) e o Estados Islâmico (estes dispensam apresentações) são os mais mediáticos. Utilizam civis, entre os quais crianças, mulheres e idosos, como escudos humanos e não os deixam abandonar os locais de combate, depois as notícias são feitas à medida dos interesses de EUA, União Europeia, Arábia Saudita, Turquia etc..., países que os armaram e continuam a armar, na esperança de tirarem dividendos futuros. Seguidamente, refere que o legítimo presidente sírio deveria ser condenado por crimes de guerra, mas existe guerra sem crime ou criminosos? Em 2003, George W. Bush, Tony Blair, José Maria Aznar e Durão Barroso reuniram-se na agora “fantasma” base das Lajes e anunciaram ao mundo que o regime de Saddam Hussein possuía armas nucleares que colocavam em causa a segurança mundial. Partiram para a invasão ao Iraque baseada numa TOTAL MENTIRA, morreram centenas de milhares de inocentes e o que lhes aconteceu? NADA. Esses animais de fato e gravata, continuam ricos, poderosos e em plena liberdade. Mas, existem maiores criminosos dos que acabei de citar? O lado ocidental do planeta, funciona com o “quero, posso e mando”, mas existem cidadãos (como eu) ocidentais que não se deixam levar nessas cantigas... O petróleo foi o cerne de tudo e a tão prometida liberdade está a vista de todos, com bombas e assassinatos todos os dias. A Líbia era o país com melhor índice de vida em toda a África, com condições excecionais, pobreza praticamente erradicada e lá surgiu a NATO (leia-se EUA e União Europeia) para libertar um povo que agora tem dois governos, centenas de milícias e fome a todo o vapor. Será que é este o destino que deseja ao bravo povo sírio? Vladimir Putin não é flor que se cheire, mas tem sido um líder coerente, corajoso e determinante para que a Síria não se torne no novo Iraque ou Síria. Saudações com o máximo respeito pelas ideias de cada um, foi para isso que veio o 25 de abril...

    Carlos Manuel Rodrigues