Madeira seguiu onda
que deu liderança a Rui Rio

asdasdasd

14 Jan 2018 / 02:00 H.

Rui Rio foi eleito, ontem, novo líder do PSD, tendo batido Pedro Santana Lopes tanto a nível nacional como na Madeira.

Os militantes do PSD-Madeira escolheram maioritariamente Rui Rio, que obteve 53% dos votos madeirenses contra 47% de Pedro Santana Lopes. A margem é praticamente idêntica à votação nacional. No país, Rui Rio obteve 54,37% dos votos. Num universo de 2.760 militantes madeirenses em condições de votar, as internas contaram com uma participação de 2.145 votantes. Rui Rio foi o mais votado na Região com 1.141 dos votos contra 979 de votos a favor de Santana Lopes. As melhores votações do ex-presidente da Câmara Municipal do Porto foram alcançadas nos concelhos de Câmara de Lobos e Calheta, onde os respectivos autarcas, Pedro Coelho e Carlos Teles, eram mandatários. Já Pedro Santana Lopes conseguiu bons resultados no Porto Santo e em Machico.

Novo líder promete dar luta

No seu discurso de vitória, na cidade do Porto, Rui Rio afirmou que seguirá o legado deixado por Francisco Sá Carneiro e avisou que o actual Governo terá com a nova liderança do PSD uma “oposição firme e atenta”, mas “não demagógica ou populista”. No seu discurso, em que elogiou o ainda presidente Pedro Passos Coelho, Rui Rio disse que sempre se guiou pelos ideais do fundador do PSD, Sá Carneiro, e que é essa “a bússola” que vai “continuar a seguir como meta”. O partido, disse, “não foi fundado para ser um clube de amigos ou uma agremiação de interesses ou de grupos”.

Segundo Rui Rio, o PSD apresentar-se-á depois do congresso do partido, em Fevereiro, como “alternativa de governo à actual frente de esquerda que se formou”. “Alternativa capaz de dar a Portugal uma governação mais firme e corajosa, capaz de enfrentar grandes problemas estruturais”, bem como capaz de “restituir a vontade, a alma e a esperança”, vincou. O ex-presidente da Câmara do Porto agradeceu a todos os militantes que votaram em si, a quem esteve a seu lado nestes três meses e ao seu adversário nas directas, Pedro Santana Lopes, que “com generosidade e empenho se apresentou a estas eleições, permitindo assim um confronto de ideias que não só valorizam esta vitória como enriquecem os objectivos comuns”.

Já o candidato derrotado, Santana Lopes, afirmou que, mesmo que soubesse à partida que ia perder esta disputa, teria assumido na mesma o combate político “para clarificar”. * COM LUSA