Vacina para grávidas à espera de Lisboa

“existem cerca
de 300 vacinas disponíveis
nas farmácias comunitárias”

21 Abr 2017 / 02:00 H.

Na sequência das notícias publicadas na edição de ontem do DIÁRIO, a Secretaria Regional da Saúde (SRS) emitiu um comunicado para abordar, por um lado, a questão do sarampo e, por outro, a falta da vacina Boostrix, contra a difteria, tétano e tosse convulsa, que deve ser administrada entre as 20 e as 32 semanas de gestação, e que faz parte do plano nacional de vacinação.

“Relativamente à vacina da grávida contra a tosse convulsa que, desde 2016, foi introduzida no esquema vacinal recomendado pela DGS, a Região aguarda pela conclusão de um procedimento nacional para aquisição, o qual deverá ficar concluído até final de Abril”, referiu a SRS, acrescentando que “existem cerca de 300 vacinas disponíveis nas farmácias comunitárias da Região”, informação que não foi disponibilizada na quarta-feira ao DIÁRIO, conforme solicitado, e que, segundo apurámos, só foi desbloqueada ontem. Isto porque a GlaxoSmithKline, companhia farmacêutica multinacional britânica que é responsável pela comercialização da Boostrix, resolveu colocá-las à disposição das farmácias na Região.

De resto, a SRS reafirmou que a Madeira tem uma taxa de cobertura vacinal acima dos 98% nas 13 vacinas recomendadas pelo plano nacional de vacinação, o que garante a imunidade da população em todas as doenças alvo do esquema vacinal recomendado.

Já sobre a situação epidémica de sarampo que ocorre em território de Portugal continental desde Janeiro do corrente ano, refere a Secretaria que o IASaúde tem vindo a emitir vários comunicados informativos aos serviços de saúde e às escolas.

Garantindo que “não há registo de casos de sarampo na Região Autónoma da Madeira desde 2013, tratando-se à data de um caso importado de uma turista alemã não vacinada”, a SRS informou ainda que a “Região dispõe de 1.500 vacinas, stock suficiente para cobrir as necessidades nesta vacina”.

Outras Notícias