União condenado a pagar 19 mil euros à Tecnovia

União recorreu para a Relação, para anular sentença, mas não o conseguiu

13 Nov 2017 / 02:00 H.

O Clube de Futebol União foi condenado a pagar à Tecnovia 17 mil euros, importância que, com juros, já chega praticamente a 19 mil euros. Uma verba devida pelo arranjo de um transporte colectivo de passageiros, mas que o Clube se tem recusado a pagar.

Numa primeira instância, no Funchal, o Tribunal condenou ao pagamento, numa decisão de Março deste ano. Mas o Clube recorreu a uma instância superior, para tentar anular a sentença. Entre os vários argumentos apresentados, para que o processo voltasse à base, o Clube de Futebol União alegou que, no Funchal, não havia sido apurado quem era o proprietário do transporte e que, como havia sido demonstrado noutra circunstância, o veículo em causa não era do União.

Mas o tribunal de apelo, Tribunal da Relação de Lisboa, no acórdão que produziu, rejeitou a argumentação do Clube e manteve a decisão da juíza do Funchal. Disse mesmo que, no caso em concreto, de nada serve apurar quem é o proprietário do transporte.

O que o Tribunal dá como provado é que o Clube de Futebol União contratou o serviço, incluindo mão-de-obra e peças, à Tecnovia e não o pagou.

Com a decisão do Tribunal de Lisboa, a Tecnovia já iniciou um processo para executar a dívida. Na prática, para obrigar o clube a pagar.

Quando recorreu ao Tribunal, a Tecnovia reclamava, igualmente, uma dívida de 747 mil euros pela construção de um campo de futebol, mas o tribunal entendeu separar os processos, por esta dívida ser do foro administrativo. Essa dívida está por resolver.

O Clube de Futebol União foi condenado a pagar à Tecnovia 17 mil euros, importância que, com juros, já chega praticamente a 19 mil euros. Uma verba devida pelo arranjo de um transporte colectivo de passageiros, mas que o Clube se tem recusado a pagar.

Numa primeira instância, no Funchal, o Tribunal condenou ao pagamento, numa decisão de Março deste ano. Mas o Clube recorreu a uma instância superior, para tentar anular a sentença. Entre os vários argumentos apresentados, para que o processo voltasse à base, o Clube de Futebol União alegou que, no Funchal, não havia sido apurado quem era o proprietário do transporte e que, como havia sido demonstrado noutra circunstância, o veículo em causa não era do União.

Mas o tribunal de apelo, Tribunal da Relação de Lisboa, no acórdão que produziu, rejeitou a argumentação do Clube e manteve a decisão da juíza do Funchal. Disse mesmo que, no caso em concreto, de nada serve apurar quem é o proprietário do transporte.

O que o Tribunal dá como provado é que o Clube de Futebol União contratou o serviço, incluindo mão-de-obra e peças, à Tecnovia e não o pagou.

Com a decisão do Tribunal de Lisboa, a Tecnovia já iniciou um processo para executar a dívida. Na prática, para obrigar o clube a pagar.

Quando recorreu ao Tribunal, a Tecnovia reclamava, igualmente, uma dívida de 747 mil euros pela construção de um campo de futebol, mas o tribunal entendeu separar os processos, por esta dívida ser do foro administrativo. Essa dívida está por resolver.

Domínio penhorado

O domínio na Internet do União está penhorado. Nos últimos dias, quem acedeu a www.uniaodamadeira.pt encontrou a mensagem “Domínio uniaodamadeira.pt penhorado. Penhorado à Ordem do Processo nº 19290/17.3T8LSB, que corre termos no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa - Lisboa - Juízo Execução - Juiz 3”.

Uma mensagem do agente de execução Filipe Cláudio.

Outras Notícias