Terminar a festejar
depois de evitável sofrimento

Portugal iniciou de forma feliz a ronda de Elite de qualificação para o Europeu de sub-17

13 Mar 2018 / 02:00 H.

Costuma-se dizer que a sorte no futebol dá muito trabalho e que é, na realidade, uma reunião de muitos outros factores, como a habilidade ou talento, que não faltam à selecção nacional de sub-17, que iniciou ontem da melhor forma a Ronda de Elite de qualificação para a fase final do Campeonato de Europa de 2018, que se disputa em Inglaterra em Maio, apesar de grandes sustos.

Portugal começou a fase de apuramento com um triunfo diante da Eslováquia, arrancado a ‘ferros’ no último lance do jogo, quando o empate parecia um mal menor, depois de muito sofrimento, desnecessário, porque a diferença de valores é considerável.

Logo após o apito inicial, Portugal mostrou-se seguro, com boas de trocas de bola e chegou cedo ao golo, pelo ‘leão’ Félix Correia. Os eslovacos pouco incomodaram e os pupilos de Rui Bento continuaram a mandar no jogo, ainda que com mais dificuldades, à medida que o relvado ia ficando cada vez mais escorregadio.

Ao intervalo era natural a vantagem da selecção nacional, que baixou a intensidade na segunda parte e perdeu objectividade, ao contrário do adversário, que chegou ao empate num canto em que todos ficaram a ver Patrik Ilko rematar, no segundo poste, sem marcação.

Cresceu a Eslováquia, que enviou uma bomba à barra e dispôs de uma outra soberana oportunidade de golo, quando Vasil isolou-se.

Temeu-se o pior mas, com muito ‘cricanço’ e individualismo, Portugal lá foi conseguido reerguer-se, ainda que sem encontrar espaços.

E quando tudo apontava para o empate, num lance de insistência o capitão Saldanha meteu a bola na baliza e todo o banco saltou para festejar na bandeirola de canto. Os eslovacos ficaram de rastos.