‘Tempestade de emoções’ e Matias Sousa conquistam júri

O Festival da Canção Juvenil da Madeira premiou ainda jovem compositor

18 Jun 2017 / 02:00 H.

‘Tempestade de emoções’ foi a canção vencedora da 6.ª edição do Festival da Canção Juvenil da Madeira Voz d’Amanhã, que decorreu na sexta-feira à noite, no Jardim Municipal, um tema original composto por Romeu Mota, com letra do pai, José Carlos Mota, defendido por Emma Barradas. Já o título de ‘Melhor Intérprete’ foi para Matias Sousa, que concorreu nas versões, com ‘O amor é assim’, um cover’ do tema da banda portuguesa HMB com voz de Carminho.

O concurso, integrado na Semana Regional das Artes, divide-se em duas metades, uma com seis concorrentes com as canções inéditas, outra com todos os 12 jovens. De entre os que concorrem com as canções originais é escolhida a ‘Canção Vencedora’ e os prémios de ‘Melhor Letra’ e de ‘Melhor Música’ - neste caso, foram para os autores de ‘Tempestade de Emoções’. De entre os 12 participantes é escolhido o ‘Melhor Intérprete’, tendo aqui o jovem de 13 anos, o mais novo de todos, sido o preferido do júri.

A decisão passou pelo professor e letrista António Castro, pela cantora e compositora Sara Branco, pelo cantor e compositor Franco, pela directora de serviços de Educação Pré-escolar e do Ensino Básico e Secundário Nadina Mota e pela chefe da divisão de Apoio à Educação Artística e presidente do júri, Natalina Santos.

Maria Leonor Rodrigues com ‘Need a fire’ (Sara Tavares & Shout); João Gonçalo Freitas com ‘Era eu’ (D.A.M.A); Sara Nascimento com ‘Todas as ruas do amor’ (Flor-de-Lis); e André Abreu com ‘A carta’ (Toranja) foram os concorrentes que concorreram com versões, juntamente com Matias Sousa. A concorrer com Emma nos originais estiveram Iara Rodrigues com ‘Na ponta dos pés’ (letra e música de Ricardo Rodrigues); Michael Marques com ‘Ninguém me vai parar’ (letra e música de Tiago Sena Silva); João Pedro Fernandes com ‘Ei, tu aí!’ (letra de Natália Pita, música de Marco Baltazar), Ana Beatriz Gouveia com ‘Viagem’ (letra de Conceição Vieira, música de Marco Nunes); e Beatriz Abrunhosa com ‘Tudo em mim’ (letra de Carina Freitas, música de Sidónio Pestana).

Emma confessou não estar à espera da vitória. “A música foi muito bem escrita e desenvolvida. Acho que foi merecida”. Esta corista dos coros da Direcção de Serviços de Educação Artística e Multimédia também sente o “nervosinho” antes de entrar no palco. Depois, a música impõe-se. Se os ensaios para participar foram cansativos, não tem dúvidas de que o processo todo “valeu a pena”.

Guarda a imagem da família e amigos a apoiá-la, um dos momentos altos da noite. “Eu gosto muito de cantar, foi uma experiência maravilhosa”.

Tudo começou para Emma com uma conversa com Romeu Mota, o autor da música. Com 16 anos compôs o tema que levaria à vitória, então ainda sem destino o Festival. Romeu toca viola e costuma compor para si, contou a vocalista, que ao ouvir os acordes deu nota positiva e apoiou uma candidatura ao festival. O convite para ser solista, veio depois.

Matias Sousa acredita que o seu sucesso deveu-se em parte a Carminho, a fadista que dá voz ao tema original, e em parte à capacidade de se mexer em palco. “Deve ter sido pela parte da Carminho. Como é assim um registo diferente, como é fado, eu acho que só por essa parte ganhei uns pontinhos”, confessou, acrescentando que por outro lado também conseguiu “criar uma boa comunicação com o público” ao estar sempre a se mexer.

A vitória, ainda assim foi uma surpresa para o rapaz de 13 anos. “Havia vozes muito boas, ter ganho foi mesmo uma excelente notícia, fiquei muito contente”.

O seu futuro quer que passe pela música, quer ser cantor e já está a trabalhar nisso, estudando no Estúdio 21. Já no ano passado tinha vencido o ‘Brava Bravíssimo’ na Ribeira Brava.

Para o Voz d’Amanhã, o tema foi escolhido pela mãe e de início nem morreu de amores por ele, prefere mais pop, soul e R&B, confessou. A mãe encorajou-o e a escolha revelou-se acertada, a julgar pela vitória.

Outras Notícias