Taxistas repudiam “acusação gratuita”

06 Dez 2017 / 02:00 H.

    A AITRAM – Associação de Industriais de Táxi da Região – “repudia” a “acusação gratuita” do motorista do carro de animação turística alvo de acto de vandalismo - esvaziaram pneu enquanto mostrava a paisagem -, por este ter culpado os taxistas, uma vez que a viatura em causa ficara estacionada entre os muitos táxis que se encontravam no Pico dos Barcelos.

    O caso ocorrido esta 2ª feira de manhã e relatado na edição de ontem do DIÁRIO, motivou a reacção de António Loreto, presidente da AITRAM, por entender que a queixa do lesado “atinge tudo e todos” e só contribui para “difamar a classe”.

    “Se sabe quem foi, acho bem que denuncie o suspeito desse crime em vez de ‘apontar o dedo’ a toda a classe com a insinuação que são todos iguais, porque não são”, garante. Acrescenta que “em todas as classes existem bons e menos bons profissionais” e que no caso dos motoristas de táxi, lembra que estes “não nascem taxistas” nem “são maus só por serem taxistas”. Não aceita por isso “que se culpe uma classe no geral apenas por se suspeitar que alguém dessa classe tenha sido o autor do crime”, contesta.

    No caso em questão, diz mesmo que não acreditar que algum taxista fosse capaz de fazer aquela artimanha “à vista de toda a gente”. Mais ainda sabendo-se que o condutor queixoso até foi alertado por um taxista que tinha o pneu em baixo. “Se calhar já vinha com a pedrinha de outro lado a esvaziar lentamente o pneu”, conclui o responsável pela AITRAM. O.D.

    Outras Notícias