Susana Andrade grava fado

O segundo disco da cantora inclui um tema original. Será apresentado publicamente

15 Fev 2018 / 02:00 H.

‘Foi p’ra isto que eu nasci’, foi este o nome dado por Susana Andrade ao seu segundo disco em nome próprio, um trabalho gravado recentemente. A cantora madeirense está a preparar uma apresentação pública. Ao DIÁRIO falou desta edição de autor.

O título saiu da música do primeiro fado. Susana Andrade sente que é este mesmo o seu caminho. Canta desde os nove anos de idade, tendo enveredado por outros géneros musicais, mas só bem mais recentemente descobriu o fado. Desafiada a cantar um, acabaria por tomar-lhe o gosto e fazer carreira.

A relação com os fados tradicionais e as letras foi-se estreitando. A cada verso ou acorde Susana Andrade acabava mais fadista e hoje considera-se uma e é com orgulho que apresenta o novo disco. Os discos, diz, são a identificação do artista. Tinha lançado ‘Cumplicidades’ em 2012 e tinha também participado em dois CD ‘Sabor a Fado’.

‘Foi p’ra isto que eu nasci’ junta 13 temas, um deles original, com poema de Sandra Faria e música do guitarrista César Abrantes. Os restantes são fados tradicionais, marchas e uma rapsódia, alguns temas populares, outros popularizados por Amália e Lucília do Carmo.

‘Não Vou, Não Vou’, de Júlio de Sousa/ Mário Moniz Pereira (letra/música) abre o alinhamento. ‘Eh, Pá do Fado!’, de Fernando Farinha é o segundo. O terceiro chama-se ‘O Faroleiro’ e foi adaptado. A música continua a ser de Júlio Proença, a letra foi substituída por um poema do madeirense Cabral do Nascimento, que fala do ser ilhéu. Uma rapsódia de cinco fados tradicionais antecede ‘Amor, Amor’, o tema original. ‘Maria da Madragoa’, de Domingos da Silva/Manuel Fernandes, está em sexto. ‘Acordem os Fadistas’, de Frederico de Brito/Eugénio Pepe, conta com a participação especial do acordeonista Celso de Andrade.

‘Bailarico Saloio’ é um tema popular. ‘Os Loucos’, de Mário Raínho e José Gordo/ Fontes Rocha, junta-se a ‘Não Rias’, de Ivete Pessoa/Armando Machado; e a Meu irmão fora da lei’, de Paco Gonzalez. A fechar, a ‘Marcha do Parque Mayer’, tema popular, e ‘Mon Amour’, de Richard Anthony/Joaquín Rodrigo, um tema em francês gravado por Amália. Nele, Susana Andrade contou com a participação especial de Paulo Ferraz.

O disco foi gravado no Paulo Ferraz Studio, com César Abrantes, na guitarra portuguesa; Susana Abrantes, na viola clássica; e Igor Capelo, no baixo. O disco estará à venda por 10 euros nas actuações ao vivo da cantora. A par de ser fadista, a cantora madeirense tem estado ligada a outros eventos de promoção do fado no Funchal, como a Gala do Fado ‘Jovem na Alma, Sénior na Voz’, promovida pela Câmara, ou a Grande Noite do Fado, um evento inserido nas Noites de Verão organizadas pela Junta de Freguesia de São Martinho, dedicadas ao fado amador também.

No ano passado, em Agosto, Susana Andrade deslocou-se à Áustria, mais precisamente à cidade de Dornbirn. Este ano verá actuar na Polónia, em Cracóvia. Os contactos já estão feitos, a viagem deverá ser em Junho.

Outras Notícias