Situação nas Urgências “mais normalizada”

É fundamental o trabalho dos Centros de saúde e libertação de altas clínicas

09 Fev 2018 / 02:00 H.

No final da tarde de ontem, havia dezenas de pessoas no Serviço de Urgências (SU) do Hospital Dr. Nélio Mendonça, como aliás o DIÁRIO pode confirmar. O retrato era um pouco diferente do registado durante a manhã ou mesmo depois da hora de almoço, em que os corredores surgiam mais vazios. Porém, este dado não surpreende a Directora do SU. Carmo Caldeira explica ao DIÁRIO que é normal, visto que, na maioria dos dias, o fluxo de doentes naquele serviço é sempre superior a partir do final da tarde.

De qualquer modo, não se verifica o caos constatado no dia 29 de Janeiro. Carmo Caldeira garante que a situação está “mais normalizada”, muito por força de duas medidas implementadas. A implementação do Plano de Contingência da Gripe, no dia 1 de Fevereiro, com a disponibilização de Serviços de Atendimento específicos para a Gripe em vários centros de saúde, permitiu que muitas pessoas recorressem em primeira instância aos Cuidados Primários de Saúde. “O fluxo de pessoas às Urgências Hospitalares melhorou porque muitas procuraram, e bem, os centros de saúde”, diz a responsável.

De acordo com os dados fornecidos ao DIÁRIO pela Secretaria Regional de Saúde, entre 31 de Janeiro e ontem foram contabilizados 1.209 atendimentos no serviço de atendimento urgente nos Cuidados de Saúde Primários com motivo de entrada ‘Serviço de Atendimento da Gripe’. Estes atendimentos aconteceram nos Centros de Saúde do Bom Jesus (201), Santo António (677), Câmara de Lobos (56), Machico (159) e Ribeira Brava (116).

Refira-se ainda que, neste período registaram-se 4.002 atendimentos nos centros de saúde da Região com serviço de atendimento urgente.

Mas não foi apenas este trabalho concertado dos vários recursos da Saúde que permitiu a melhoria da situação nas Urgências hospitalares. Carmo Caldeira sublinha o trabalho realizado pela Secretaria da Inclusão e Assuntos Sociais, através da Segurança Social, ao permitir a transferência de 40 pessoas em situação de alta problemática nos serviços de internamento hospitalar para o lar de Câmara de Lobos. “Essa retirada de altas clínicas do hospital fez toda a diferença”, diz. “Em dias complicados chegámos a ter 20 e tal doentes à espera de internamento”, acrescenta, explicando que nas últimas semanas a situação é francamente melhor.

De qualquer maneira, a directora do SU sublinha que este trabalho com os Centros de Saúde e com a Segurança Social é para continuar, até porque a normalização no fluxo de doentes às Urgências hospitalares “não se resolve numa semana”. “É um trabalho que se vai prolongar”, referindo que tal é fundamental para que seja “garantido o trabalho diferenciado do Serviço de Urgências”, daquele que é o único hospital de fim de linha da Região.

Serviço de Urgência Hospitalar registou 2.362 atendimentos

Entre os dias 31 de Janeiro e 8 de Fevereiro, o Serviço de Urgência (SU) do Hospital Dr. Nélio Mendonça registou 2.362 atendimentos. Curiosamente, apenas 88 se referiram a diagnósticos de gripe.

De acordo com os dados fornecidos ao DIÁRIO, a maior parte dos atendimentos no SU hospitalar referem-se a diagnósticos da área Médica (875), seguindo-se a Pediatria (491) e a Cirúrgica (370).