Reforço na segurança

Em quatro anos o Governo regional já canalizou 870 mil euros das multas para a PSP

30 Nov 2017 / 02:00 H.

A PSP tem agora oito novos motociclos para reforçar o cumprimento da sua actividade. O dinheiro das multas possibilitou a canalização de 91 mil euros para a aquisição destes motociclos, num protocolo existente com a Região, que nos últimos quatro anos já possibilitou o investimento de 870 mil euros emequipamentos. Esse valor, até ao momento, traduz-se na aquisição de 26 viaturas, 10 motociclos e 111 equipamentos de informática.

A entrega decorreu no Comando Regional da PSP, no Funchal, contando com a presença de Miguel Albuquerque, que frisou a mais-valia desta parceria como uma “boa aplicação e repartição de verbas”, dado que 48% das receitas da PSP são utilizadas para a “melhoria da funcionalidade e de execução do serviço da própria polícia”. Os outros 52% vão para os cofres da Região.

O presidente do executivo madeirense aproveitou ainda a oportunidade para lançar uma ‘farpa’ ao Governo central em relação aos subsistemas de saúde. “Neste momento era importante fazer o contra-ponto com aquilo que o Estado não faz”, acusou Miguel Albuquerque.

Nestas oito novas motas podem contemplar-se, em termos de cilindrada, quatro 125cc, duas 900cc e outras duas com 1300cc.

Receio da população altera obras

Miguel Albuquerque disse que as obras da Levada do Espigão da Ribeira Brava, que já foram anunciadas pelo Governo Regional, irão sofrer alterações para que o túnel não passe naquela zona. “Havia um receio da população em relação a estas obras que podiam afectar as nascentes e a estrutura de assentamento das habitações. A ordem que eu dei é que deve ser encontrada uma solução técnica, de forma a que o túnel não atravesse essa zona”, afirmou o presidente do Governo Regional à margem da visita ao infantário ‘O Balão’.

Em relação à nova Escola Básica e Secundária da Ribeira Brava, o presidente do Governo Regional revelou que o concurso público já foi lançado e espera iniciar a obra já no próximo ano. “Neste momento está a decorrer os prazos do concurso público e estamos a falar num investimento de oito milhões de euros. Vamos aguardar que todo este processo burocrático termine, que é obrigatório por lei, para iniciarmos a obra já no próximo ano”, realçou.

Sobre o infantário, disse que o tecto foi substituído, porque tinha “amianto”, tendo sido feito um investimento de “quase 80 mil euros” nas “obras de requalificação” do espaço. “Este infantário tem excelentes condições para continuar a prestar apoio à população mais jovem do concelho”, sustentou.

Outras Notícias