Recordar, viver e ficar na memória

Lisboa /
13 Nov 2017 / 02:00 H.

O médico João Mendes de Almeida apresentou, em Lisboa, no Centro Cultural de Cascais, o seu novo livro intitulado ‘Lourenço Marques - A mais bonita cidade africana do seu tempo’. Uma obra com cerca de 700 páginas e perto de 1.500 fotografias, que mostra como era e como se vivia em Lourenço Marques, a ‘Pérola do Índico’, antes da independência.

“Apesar de não pretender de forma alguma fazer qualquer juízo político, mostra e regista para sempre como era a cidade naquela altura e como lá se vivia”, revelou ao DIÁRIO o otorrinolaringologista, salientando também que a cidade, hoje Maputo, “deixou marcas em todos que por lá passaram, que a poderão agora recordar”.

Por outro lado, João Mendes de Almeida frisou que a obra “permitirá aos descendentes de quem de lá veio se aperceber de que aquilo que de lá ouviam contar era realmente a realidade”.

O lançamento do livro, em Cascais, foi um sucesso, não só pelas centenas de pessoas presentes, muitas delas com laços pessoais e afectivos com Moçambique, com o condão de encherem a plateia e de proporcionarem reencontros com amigos de longa data que têm como ponto comum a mesma cidade onde viveram, como também pela reacção que tiveram ao se depararem com uma obra invulgar pela sua dimensão e contexto editorial, destacando-se, para além do número de páginas e fotografias, diversos testemunhos por parte de antigos residentes da cidade.

O livro já está também à venda no Funchal e poderá ser adquirido na ‘Papelaria Juliber’, nas Galerias S. Lourenço.

Recorde-se que muitos madeirenses tiveram o prazer e a oportunidade de conhecer e viver em Lourenço Marques, muitos deles já numa fase em que o país, Moçambique, estava mergulhado na guerra colonial. Maior parte deles regressou e nunca mais voltou. Com a obra de João Mendes de Almeida... Lourenço Marques está de novo ali, à distância de um dedo.