Reabilitar prédios dá prémios

Projecto foi dado a conhecer ontem e as candidaturas remetidas de 1 de Março a 31 de Maio

24 Fev 2017 / 02:00 H.

Todos os projectos de reabilitação urbana na Madeira e Porto Santo que tenham licença de habitabilidade emitida (ou pedida) de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2016 vão poder candidatar-se aos prémios ‘Reabilitar Madeira 2017’, uma iniciativa promovida pela Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, através do IHM, Investimentos Habitacionais da Madeira, em parceria com a Secção Regional da Madeira da Ordem dos Engenheiros Técnicos.

O concurso regional visa, assim, atribuir prémios de reabilitação urbana, cuja avaliação será feita por um júri com conhecimentos técnicos e os projectos candidatos - podem ser entregues de 1 de Março a 31 de Maio - deverão ter como característica “a valorização, promoção e a divulgação do trabalho desenvolvido por projectistas, construtores e promotores, do sector privado, ao nível da reabilitação urbana, bem como a promoção a disseminação de boas práticas e a contribuição, através do conhecimento de experiências inovadoras, para a contínua adaptação a novas situações”, pode ler-se num texto divulgado à comunicação social.

O Prémio ‘Reabilitar Madeira 2017’ tem, ainda, como objectivo “reconhecer e estimular a excelência profissional dos operadores económicos e sociais que protagonizam intervenções de reabilitação urbana no território regional, nas categorias de Habitação, Comércio e Serviços e Turismo”, destaca. Serão, portanto, quatro prémios a atribuir aos participantes, cuja candidatura deverá ser remetida aos serviços da IHM.

Os regulamentos estão disponíveis no Portal da Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, no portal da IHM e na página da Secção Regional da Madeira da Ordem dos Engenheiros Técnicos.

Além das intervenções dos responsáveis da Ordem profissional e da IHM, a secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal presidiu e encerrou a apresentação, elogiando a iniciativa que vem ao encontro de um dos objectivos da entidade que tutela. “Mais do que construir, tem sido reabilitar e não é por acaso que afectamos mais 6 milhões de euros na reabilitação dos nossos edifícios e parque habitacional”, sob gestão da IHM, uma vez que a maioria já tem alguns anos, “mas que precisam sobretudo de ser reabilitados para aumentar a esperança de vida dos edifícios e melhor a qualidade de vida dos seus habitantes”, destacou.

Rubina Leal acredita que é na reabilitação nas várias vertentes, não só na eficiência energética dos edifícios, que está o futuro, aliás “como foi feito até 2013 em novas centralidades na cidade do Funchal”, atirou.

Outras Notícias