PSD-M ‘joga’ lugar na Assembleia da Ponta do Sol

12 Out 2017 / 02:00 H.

    Os social-democratas da Ponta do Sol estão convencidos que vão conseguir eleger pelo menos o presidente da Mesa da Assembleia quando este órgão for instalado no dia 20, logo após a tomada de posse da presidente socialista, Célia Pessegueiro, no auditório John dos Passos.

    Esta convicção social-democrata assenta no número de eleitos conjuntamente com os dois presidentes de Junta eleitos pelo PSD-M, que, por inerência, têm direito ao voto, fazendo o total de nove elementos.

    Do outro lado (PS e CDS/PP), somados todos os deputados (6+2) mais o presidente da Junta da Ponta do Sol, João Campanário, garantem um empate técnico. Ou seja, 9 eleitos do PSD-M contra os 9 eleitos do PS e do CDS/PP.

    Manda o regime jurídico dos órgãos autárquicos que se eleja a Mesa e, em caso de empate, se repita por 3 vezes o acto, findo o qual o presidente será aquele que mais votos arrecadou na noite eleitoral. Ora, o partido mais votado para a Assembleia Municipal, ao contrário do que sucedeu para a Câmara, foi o PSD-M.

    Por este facto reside enorme expectativa entre os social-democratas que Domingos Sancho Santos consiga ser eleito presidente da Assembleia Municipal, todavia, é preciso contar com todos os votos da bancada do PSD-M e que nenhum eleito fure a disciplina partidária.

    E é precisamente aqui que reside toda a trama deste ‘filme’ que poderá não ter um final feliz como os militantes esperam que venha a acontecer, uma vez que existem movimentações e negociações nos bastidores. Primeiro é preciso assegurar que nenhum deputado se deixe convencer, embora existam pressões para que algum roa a corda.

    O que pode acontecer?

    O que é que está por detrás deste apetite para liderar a Assembleia? Primeiro, mostrar a força do PSD. Segundo, a possibilidade de poder controlar algumas votações que obrigatoriamente devem ser ratificadas neste órgão.

    É o caso do Orçamento e da Conta de Gerência. Não sendo aprovados, a autarquia passa a ser gerida por duodécimos e originar impasses orçamentais assim como causar dificuldades de tesouraria.

    CDS na vereação?

    Chegou a ser ponderada a entrada da líder do CDS/PP, Sara Madalena para a vereação garantindo desta forma uma maioria de vereadores entre socialistas e centristas, mas segundo se apurou a advogada terá declinado o convite.

    Canhas e P. do Sol sem maioria

    Também nas Assembleias de Freguesia da Ponta do Sol e dos Canhas, o partido mais votado não tem maioria de elementos na Assembleia. Na Ponta do Sol, social-democratas e centristas juntos têm mais um autarca que os socialistas. Nos Canhas são os socialistas e centristas que têm a maioria em relação aos social-democratas.

    Em ambos os casos será necessário negociar sob pena dos respectivos orçamentos serem chumbados.

    Outras Notícias