Preservação das tradições da Festa em “banho-maria”

Projecto de resolução do JPP que pretendia preservar as missas do parto toma uma forma mais abrangente, dedicada às tradições do Natal e aguarda para ser discutido em sessão na ALRAM

14 Nov 2017 / 02:00 H.

O Juntos Pelo Povo ainda não desistiu de ver preservadas as tradições afectas ao Natal madeirense. O projecto de resolução ‘Inventariação, classificação e divulgação das missas do parto enquanto património cultural imaterial’ deu entrada na Assembleia Legislativa da Madeira a 19 de Setembro de 2016, mas foi retirado para ser enriquecido, cerca de um mês depois. Actualmente, aguarda para ser discutido em plenário, mas com outra designação, mais abrangente.

‘Projecto de Resolução Inventariação e divulgação das tradições da ‘Festa enquanto Património Cultural Imaterial’ é a designação dada ao projecto que, mais do que preservar as missas do parto, pretende inscrever as tradições inerentes ao Natal madeirense no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial.

Assim, vemos que o projecto que, há cerca de um ano, pretendia uma ‘elevação’ da parte profana da missa do parto (convívio) a património cultural imaterial, quer que a tradicional ‘Festa madeirense’ ganhe esse estatuto, com todas as suas características.

Para tal, é proposto pelo JPP a colaboração não só da Assembleia Legislativa, mas também da direcção regional de Cultura, Universidade da Madeira, dos Municípios e das Juntas de Freguesia.

No fundo, são diversas as práticas que devem merecer atenção como o receituário de tradição conventual, onde se inserem as broas e bolos de mel; as bebidas espirituosas; as manifestações de carácter artesanal como as lapinhas e presépios; o cancioneiro usado aquando das Missas do Parto e do Cantar dos Reis e, por fim, outras tradições relacionadas com a época natalícia tais como “a função do porco” e o “varrer dos armários”.

O JPP, através do projecto de resolução assinado por Élvio Sousa, dá conta de que as referências documentais relativas às tradições de Natal são muito escassas, pelo que a sua inventariação iria potenciar estudos e investigação da memória histórica das vivências locais.

Projecto aguarda agendamento

Élvio Sousa, presidente do grupo parlamentar do JPP e signatário deste projecto de resolução, confirmou ao DIÁRIO que o este se encontra em “banho-maria”, uma vez que, aguarda agendamento.

“Estamos à espera que seja agendado para discussão, mas sabemos que ainda existem outros 14 ou 15 projectos à nossa frente, pelo que pode demorar algum tempo”, explicou.

De recordar que o projecto deu entrada em Setembro de 2016, referindo-se apenas às missas do parte. Na altura, confrontado com a ideia de que alguns párocos estariam reticentes pela intervenção profana num acto religioso, Élvio Sousa garantiu que a Diocese se tinha mostrado de acordo com esta inventariação. O esclarecimento dava conta de que o que estava em causa era a parte profana, deixando de fora a celebração religiosa.

Agora, o projecto surge com outra força, envolvendo mais entidades na sua implementação.