Pedro Calado coloca quatro adjuntos no gabinete

19 Out 2017 / 02:00 H.

O indigitado Vice-presidente do Governo, Pedro Calado, decidiu reforçar o seu núcleo de trabalho com quatro adjuntos. Casos de Maria João Monte e de Roman Pinto que zelarão pela pasta das Finanças, e de Raquel França e de Jorge Vale Fernandes que trabalharão de perto na Economia. Áreas que como referimos na edição de ontem serão lideradas por dois directores-adjuntos, Rogério Gouveia e Patrícia Dantas de Caires, respectivamente.

Maria João Monte é economista, foi deputada do PSD na Assembleia Legislativa da Madeira e substituiu Paulo Atouguia na presidência das Sociedades de Desenvolvimento em 2013, cargo que manteve mesmo com a mudança de governo. A meados de 2016 substituiu Lígia Correia na presidência do Conselho de Administração do SESARAM. Seis meses depois, com a nomeação de Pedro Ramos para o cargo de secretário regional da Saúde, pediu a demissão.

Roman Neto Pinto era até agora Adjunto do Gabinete de Rui Gonçalves. Tem licenciatura em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e no seu currículo consta a participação activa no acompanhamento da aplicação da Lei de Finanças das Regiões Autónomas e da Lei de Meios. Colaborou como técnico da Direcção Regional do Tesouro, na realização, implementação e acompanhamento do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro da Região e na realização de diversos acordos de regularização de dívidas e acompanhamento da concretização de diversas medidas previstas no PAEF.

Raquel França era chefe de gabinete do dispensado secretário regional da Economia, Turismo e Cultura. Licenciada em gestão, pós-graduada em Tecnologias, Sistemas e Linguagens, também foi chefe de gabinete de Conceição Estudante entre Novembro de 2011 até Abril de 2015.

Antes, entre Novembro de 2008 a Novembro de 2011, foi directora regional de Turismo.

Jorge Vale Fernandes era director regional da Inovação Valorização e Empreendedorismo desde Junho de 2015, uma estrutura que é extinta, embora o conteúdo se mantenha válido.

O economista foi o 3.º da lista do PSD-M no Funchal nas últimas autárquicas. Devido ao facto de ter experiência no sector privado, Rubina Leal conta com o “desempenho minucioso” para a sensível pasta da Finanças municipais. Eleito vereador, o quadro oriundo do grupo Banif e que coordenou a ligação entre o Governo Regional e o tecido empresarial fica sem o cargo, mas mantém-se no sector.

Pedro Calado assume que a estrutura que lidera está devidamente fortalecida, com quadros “dinâmicos, jovens e competentes”, e acredita que tem equipa para chegar a 2019 com provas dadas em áreas difíceis mas essenciais para o futuro da Região e dos madeirenses.

A um dia da tomada de posse, assume que nem tudo está fechado pois não conseguiu reunir ainda com todas as estruturas por si tuteladas. O Vice-presidente do Governo tem a seu cargo as áreas das Finanças, da Economia e dos Transportes, pastas que acumula com a coordenação política.

Pelas suas contas , à sua estrutura funcional reportam 19 organismos. E em alguns, como a APRAM, IDE, Horários, Madeira Parques, Electricidade, Escola Hoteleira, entre outros, há ainda trabalho a fazer. Ponto assente é que a Startup Madeira continuará nas mãos de Patrícia Dantas, sua directora-ajunta.

Isbel continua

Isabel Rodrigues vai continuar como directora regional da Economia e Transportes. Uma garantia dada ao DIÁRIO pelo ‘vice’ de Albuquerque que assim valoriza “a experiência” da escolhida.

Outras Notícias