Património

A Estratégia de Conservação do Património Geológico da Região, aprovada em 2015, tem permitido a valorização e divulgação do património

17 Set 2017 / 02:00 H.

Divulgar o património geológico regional, dando-lhe visibilidade pública, por forma a afirmar o potencial e interesse científico, didáctico e turístico dos locais geológicos, é o objectivo de um conjunto de medidas que, desde 2015, têm vindo a ser desenvolvidas pelo Governo Regional, através da Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais (SRA).

Entre as várias medidas definidas naquela que é a Estratégia de Conservação do Património Geológico da Região, muitas vão ao encontro das tendências verificadas ao nível do turismo um pouco por todo o mundo, até porque o geoturismo (centrado na diversidade geológica dos locais) tem-se constituído num segmento emergente, refere a Secretária Regional, Susana Prada. Na realidade, há já muito tempo que as pessoas se deslocam para visitar fenómenos geológicos, como o Grand Canyon nos Estados Unidos ou os fiordes na Noruega, mas só nos últimos tempos é que se tem verificado uma real aposta neste sector. “Na Região, o trabalho realizado nos últimos dois anos tem permitido a valorização do património existente na Madeira e no Porto Santo e, muito recentemente, nas Selvagens”, sublinha.

Neste sentido, foram inventariados 47 geossítios, ou seja, “locais que se destacam pelo seu excepcional valor científico e que melhor representam a história geológica do arquipélago”. Mas não são os únicos casos. Existem outros locais que estão identificados como sítios de geodiversidade onde se podem “observar estruturas exemplificativas da extraordinária diversidade natural existente no arquipélago”.

A estratégia de geoconservação de âmbito regional não pretende ser apenas uma mera preservação, mas também promover os Locais de Interesse Geológico, sejam geossítios ou sítios de geodiversidade, constituindo uma mais-valia turística, didáctica e científica. “Quando a ciência e o turismo se aproximam surgem novas oportunidades. Por um lado, a informação científica alcança mais público, por outro, o visitante usufrui de oferta mais diversificada e sai enriquecido”, sublinha a Secretária Regional do Ambiente e Recursos Naturais, explicando ainda que “esta valorização do património geológico traz benefícios para a economia local. Os geossítios, para além de terem um valor científico podem, igualmente, ter um valor educativo e turístico, cujo uso sustentado deve ser promovido para usufruto da sociedade”.

Roteiros em 4 línguas

Para divulgar a geodiversidade da Madeira e Porto Santo, desde o ano transacto foram lançados dois roteiros pela SRA, e outros onze estão já em fase de elaboração.

O primeiro a ser lançado foi o Roteiro do Porto Santo, em Julho de 2016, e está traduzido em quatro línguas, Português, Alemão, Inglês e Italiano. Este roteiro foi reeditado no início do passado mês de Agosto com um novo layout. “É um instrumento informativo que integra dezassete sítios de interesse geológico, distribuídos por toda a ilha e respectivos ilhéus, não sendo imposta nenhuma rota pré-definida, permitindo ao utilizador a sua visita através de coordenadas GPS”, explica Susana Prada. “Em colaboração com a Direcção Regional da Administração Pública do Porto Santo e com o patrocínio do Grupo Pestana, foram colocadas placas interpretativas de todos estes locais do Porto Santo”.

E porque as novas tecnologias não podem ser descuradas, foi, simultaneamente, lançada uma aplicação em quatro línguas com o roteiro da geodiversidade do Porto Santo. “A App GeoD Porto Santo possibilita, de forma intuitiva e interactiva, o conhecimento e compreensão da geodiversidade, destinando-se a todo o tipo de público, desde o escolar até ao mais especializado”, diz a Secretária Regional.

Já em Abril deste ano foi também lançado o Roteiro da Geodiversidade da Ponta de São Lourenço, também 4 línguas (Português, Inglês, Francês e Alemão). Na altura, Susana Prada reafirmava a meta traçada nesta matéria: “É objectivo do Governo Regional promover a utilização sustentável dos seus recursos naturais, conciliando as actividades sócio-económicas com a protecção dos valores naturais”. A decisão de fazer um roteiro específico para a Ponta de São Lourenço deve-se à grande densidade de geossítios por metro quadrado representativos da elevada diversidade de aspectos geológicos, podendo ser encontradas no local estruturas vulcânicas raras, sedimentos de várias naturezas, formas e relevos curiosos, zonas de fractura, entre outros.

Em site e nas escolas

A divulgação da Geodiversidade da Região não se tem limitado aos roteiros. Em Março de 2016 foi disponibilizado um site oficial sobre o tema (https://geodiversidade.madeira.gov.pt).

Trata-se de uma plataforma digital que pretende divulgar o património geológico regional, de lhe dar visibilidade e dimensão pública, permitindo afirmar todo o potencial dos seus locais de interesse geológico - científico, didáctico e turístico.

Os conteúdos científicos sobre o património geológico e projectos a ele associados encontram-se disponíveis para toda a população, de forma fácil, rápida e intuitiva.

Mas porque o objectivo é chegar a toda a população, a Geodiversidade tem sido também o mote para o desafio lançado, através de um concurso, pela SRA, aos alunos das escolas da Madeira e Porto Santo.

A terceira edição do concurso “GEA – Terra Mãe” terá início em breve e destina-se a todos os alunos que frequentam os vários níveis de ensino, desde o Pré-Escolar ao Secundário, passando ainda pelo Ensino Profissional.

Os objectivos do concurso, que neste ano lectivo decorrerá sobre o tema “A Diversidade da Paisagem: a geodiversidade na paisagem da Região Autónoma da Madeira” são concretos: sensibilizar a população para a importância dos conhecimentos no domínio das geociências; promover comportamentos e atitudes sustentáveis em relação aos recursos geológico e de dar conhecer a geodiversidade local em articulação com os conteúdos programáticos, desenvolvendo ideias e projectos práticos que promovam a valorização do património geológico do sítio onde vivem ou estudam.

Refira-se ainda que, no contexto deste concurso, a SRA em parceria com a Direcção Regional da Educação, organizou a formação “O GEA – Terra Mãe - uma estratégia de sensibilização das geociências”, acção validada para professores, educadores e professores bibliotecários.

Outras Notícias