Presidente e treinador reuniram antes do treino

A sessão de trabalho nos Barreiros começou com uma hora de atraso

09 Fev 2018 / 02:00 H.

Uma reunião prolongada entre Carlos Pereira e Daniel Ramos marcou o início de mais um dia de trabalho no plantel profissional do Marítimo. Aconteceu antes da sessão de trabalho que estava agendada para esta quinta-feira, no Estádio do Marítimo, e que foi desenvolvida à porta fechada.

Antes das 10 horas, o treinador verde-rubro iniciava a reunião com o presidente da SAD, no gabinete deste, enquanto os jogadores iam entrando no autocarro que os levaria desde o complexo desportivo do clube, em Santo António, até aos Barreiros. E o plantel esperou mais de 50 minutos, até que acabasse a reunião, pelo que o treino começou com significativo atraso relativamente à hora prevista (10h00), até porque depois, no estádio, o plantel ainda visionou vídeos. O regresso dos jogadores a Santo António, onde depois foram sujeitos a uma sessão de banhos e massagens, aconteceu pelas 13 horas.

Da reunião que Carlos Pereira manteve com Daniel Ramos nada transpirou, mas naturalmente que em cima da mesa esteve o actual momento da equipa, que não vence na Liga há sete jogos.

Refira-se que presidente e treinador já não se reuniam há três semanas, até porque, neste espaço de tempo, Carlos Pereira esteve internado no Hospital Dr. Nélio Mendonça, por doença, que o levou a não estar presente no Bessa quando, na quarta-feira da semana passada, o Marítimo jogou e perdeu com o Boavista. Já na última segunda-feira, o presidente maritimista esteve nos Barreiros assistindo à derrota do Marítimo com o Portimonense, mas logo no final deste encontro saiu do estádio.

Ainda esta semana Carlos Pereira desabafou a desilusão que lhe ia na alma, após a derrota com o Portimonense, não escondendo que “esperava mais e melhor da equipa”, conforme declarações prestadas ao DIÁRIO, exteriorizando ainda alguma incompreensão pelas mais recentes exibições do Marítimo. Mas assegurava também que o lugar de Daniel Ramos, que ainda tem mais um ano de contrato com o Marítimo para além deste, não estava em causa. “Faltam três ou quatro pontos para a manutenção e o que faltava era pensar que este desiderato não será alcançado”, dizia.

O Marítimo tem agora dois jogos consecutivos fora de portas, a começar já neste sábado com a deslocação a Vila do Conde, a que seguir-se-á a viagem à Vila das Aves. Recebe depois o Vitória de Guimarães em casa, antes de jogar no Estádio da Luz.

Um ciclo complicado de jogos que pode determinar o resto da época para o Marítimo.