OCM apresenta concerto de ‘Fim de Ano’

Concerto realiza-se às 18 horas de hoje no Teatro Municipal

28 Dez 2017 / 02:00 H.

A Orquestra Clássica da Madeira, através da Associação Notas e Sinfonias Atlânticas, apresenta o concerto de ‘Fim de Ano’ pelas 18 horas de hoje, no Teatro Municipal Baltazar Dias.

A Orquestra estará sob a batuta da maestrina Beatrice Venezi. Para ocupar o lugar de solista, a ANSA convida o reconhecido tenor madeirense Alberto Sousa.

“Eis que após o sucesso alcançado no Concerto Festa da Flor 2017, surgiu o convite à jovem maestrina Italiana Beatrice Venezi para dirigir este bloco de concertos de Fim de Ano e de Ano Novo com dois repertórios distintos. Também como convidado do concerto de Fim de Ano, temos o Tenor Madeirense Alberto Sousa que se destaca pela versatilidade nos papéis que desempenha”, refere Norberto Gomes, director artístico da OCM, em nota enviada para a Comunicação Social.

No concerto de hoje, além das áreas que serão interpretadas por Alberto Sousa “temos pela batuta da Beatrice Venezi, obras sinfónicas destacadas de Wagner, Verdi, Tchaikovsky e Puccini. O tema do amor que estará presente na maioria das obras escolhidas para este concerto, serve de mote para se despedir do ano de 2017 ao som das mais belas melodias sinfónicas sobre este tema”, acrescenta.

Os bilhetes estão disponíveis na bilheteira do Teatro Municipal Baltazar Dias e custam entre 5 e 20 euros.

Tenor e maestrina premiados

Maestrina, pianista e compositora nascida em 1990, Beatrice Venezi é maestrina Titular da Jovem Orquestra Scarlatti em Nápoles, maestrina Assistente da Orquestra Juvenil Estadual da Armênia e maestrina Convidada do Festival Puccini.

Graduou-se em Piano em 2010 no Conservatório de Siena e frequentou masterclasses de Interpretação Pianística. Foi premiada/ laureada com o 1º Prémio no Concorso Nazionale di Interpretazione Pianistica “R. Zucchi” em 2005 e premiada no 4º Concurso Nacional por Giovani Musicisti “L. Zanuccoli” em 2006.

Beatrice iniciou a sua carreira como assistente e ensaiadora vocal, na qual fez a sua estreia sinfónica em 2012.

Até agora, liderou a Orchestra I Pomeriggi Musicali de Milão, a Nuova Orchestra Scarlatti, a Orchestra della Magna Grecia, a Dèdalo Ensemble, a Orchestra da Camera Fiorentina, a Orchestra Filarmonica di Lucca, a Orchestra Filarmonica Campana, a Orchestra Sinfonica Alma, a Orchestra Filarmonica di Benevento, a Orchestra Foundation Bulgaria Classic, the Orchestra and Choir of the Theatre Bolshoij of Minsk e a State Youth Orchestra of Armenia.

Colaborou em importantes festivais e enquanto intérprete, especializou-se em música contemporânea onde realizou várias estreias de compositores italianos, tanto como pianista quanto como maestrina. Como compositora, é autora da banda sonora da curta-metragem “L ‘Arte del Campanellaro” de Daniele Michelini e de um ciclo de “Haikus” para vozes com textos escritos por mestres japoneses e por ela mesma. Em 2015, Beatrice foi premiada com o prestigiado prémio “Premio Donna 8 Marzo - A Música pela Vita” pela ASSAMI - Amici del Conservatorio di Milano e em 2016 foi galardoada com o prémio “Premio Michelangelo Cupisti” para jovens artistas da Fondazione Festival Pucciniano e da Associação Cultural Michelangelo Cupisti.

Já Alberto Sousa nasceu na Madeira e iniciou os seus estudos musicais no então Conservatório de Música da Madeira. Licenciou-se em Ensino do Canto na Universidade de Aveiro onde estudou com António Salgado e concluiu o Mestrado em Performance no Curso de Opera da Guildhall School of Music and Drama, na classe de canto de Laura Sarti.

Na sequência da sua participação na prestigiada Solti Te Kanawa Accademia di Bel Canto, gravou um CD de canção italiana produzido pelo maestro Richard Bonynge em comemoração do centenário do nascimento do maestro Georg Solti.

Recentemente, Alberto ganhou o 2º lugar e Prémio do Público no Robert Presley Memorial Verdi Competition organizado pela Fulham Opera, uma companhia de ópera londrina que depois o convidou a cantar o papel de Gabriele numa nova produção de Simon Boccanegra (Verdi).

Os últimos dois anos têm-no levado a vários palcos internacionais e incluíram, entre outros projectos, uma tournée de concertos de repertório belcantístico no Japão, La Traviata (Verdi) no Barga Belcanto Festival (Itália), uma tourneé europeia de Orlando Paladino (Haydn) com a Purpur Opera e o seu debut no Gran Teatre del Liceu (Barcelona) com uma performance do Requiem de Mozart.

Em Londres, onde reside e trabalha, Alberto cantou recentemente La Bohème (Puccini) com o Clapham Opera Festival, Faust (Gounod) com a Swansea City Opera numa tourneé pelo Reino Unido e Pinkerton (Madama Butterfly, Puccini) em concerto no Cadogan Hall.

Projectos futuros incluem uma tourneé de Rigoletto (Verdi) com Regents Opera e Brighella em Ariadne auf Naxos (Strauss) com Grange Park Opera e o cover do papel titular no Nariz (Schostakovich) para a Royal Opera House.