Moradores descontentes com ‘lixeira’ no Estreito

ARM poderá reforçar ponto de recolha mas pede mais atenção à população

27 Set 2017 / 02:00 H.

Na Estrada das Romeiras, no Estreito de Câmara de Lobos, os caixotes do lixo que lá se encontram são usados para esse mesmo fim. O problema é que estes não têm capacidade para tamanha quantidade de lixo, tornando-se naquilo a que moradores das redondezas consideram uma “lixeira a céu aberto”.

A situação não é nova e até já mereceu campanhas de sensibilização. Contudo, a localização destes contentores, que ‘servem’ os moradores das Romeiras, mas também do Foro e Jardim da Serra leva a que muita gente decida lá depositar os inertes. Segundo um dos moradores relatou ao DIÁRIO, é habitual o depósito de cimento, sofás, frigoríficos e outros objectos de grandes dimensões no local. Além destes, também diversas caixas de frutas e legumes são deixados no local, gerando queixas não só por causa do cheiro, mas também devido à probabilidade de aparecerem pragas de baratas e ratos.

ARM tem situação sinalizada

A Águas e Resíduos da Madeira é a responsável pelo serviço de recolha de lixo e admitiu ao nosso jornal que esta é uma situação que já se encontra sinalizada, tanto que está a ser ponderada a possibilidade de reforçar este posto de recolha com, pelo menos, mais um contentor de lixo.

“Em Junho de 2016 foi também colocada uma placa de sensibilização no local, por forma a sensibilizar a população da zona e transeuntes para o não abandono de resíduos fora dos contentores, bem como dando conhecimento do serviço gratuito de recolha de resíduos verdes e monos (electrodomésticos, colchões, móveis, entre outros resíduos volumosos) que a ARM disponibiliza aos seus clientes domésticos, através de marcação pelo número verde (chamada grátis) 800 910 500”.

“Ainda assim, estamos perante um problema de falta de consciência ambiental por parte dos prevaricadores, uma vez que na maioria das situações os resíduos encontram-se fora dos contentores, estando estes com capacidade ainda disponível”, conclui a ARM.

Outras Notícias