Médias regionais subiram mas ainda há muitos chumbos

Saiba quais as melhores e as piores escolas da Região Autónoma da Madeira com base nos resultados dos exames nacionais do ano lectivo 2016/17

04 Fev 2018 / 02:00 H.

    Uma vez que é consensual a opinião que o ‘ranking’ das escolas deve ser um importante documento de trabalho e de reflexão para todos – alunos, professores, comunidade e decisores políticos -, as considerações que se apresentam ao longo deste texto e nos quadros ao lado não podem questionar o facto de os ‘rankings’ dos estabelecimentos de ensino, constituindo um elemento de comparação entre os mesmos, carecerem sempre de ser devidamente contextualizados e ponderados com outros factores que contribuem para o rendimento dos estudantes.

    Posto isto, importa salientar que a primeira apreciação global aos resultados dos exames nacionais do ano lectivo 2016/17 é que as médias regionais subiram, tendo aumentado 1,4 pontos entre 2015/16 e 2016/2017 (de 100,4 para 101, 8) no 12.º ano, sendo que no que respeita ao 9.º ano, a média a Português manteve o valor do ano anterior (56) e em Matemática, embora mantendo-se negativa, subiu de 44 para 48.

    Outra apreciação de carácter global que importa ter em linha de conta é que, apesar de haver menos alunos matriculados em todos os ciclos de ensino na Região Autónoma da Madeira, o número de provas realizadas foi superior tanto no 12.º ano (de 11.483, em 2016, para 11.709, em 2017) e no 9.º ano (de 5.072 para 5.185).

    Isto significa que houve um número mais elevado de alunos aptos à avaliação final de 3.º Ciclo e de Secundário que no ano anterior, sinónimo da obtenção de rendimento mais elevado nas classificações internas que habilitam os alunos a esses exames.

    Ao lado pode analisar os quadros e ler algumas apreciações aos resultados obtidos pelas escolas da RAM.