Maniche quer inverter regras dos apoios

13 Jan 2018 / 02:00 H.

Maniche, recente investidor da AD Camacha, reuniu-se ontem com Miguel Albuquerque, com um atraso de 25 minutos em relação à hora prevista, por ter estado reunido com o presidente do Marítimo, para colocar em cima da mesa do presidente do Governo Regional alguns assuntos relacionados com a formação camachense. No fim do encontro, entre outras questões, o lisboeta falou sobre uma condicionante desportiva que o incomoda e que considera ‘empatar’ a vida do clube.

“A equipa neste momento tem mais um ponto que na época passada. É um ano mais competitivo e estamos numa série que no meu ponto de vista é a mais forte. E temos a condicionante de só podermos ter dois jogadores do continente a jogar, onde para um investidor deixa alguma preocupação, porque queremos investir e queremos apostar um pouco mais e não podemos”, disse Maniche, em alusão à situação do apoio para o desporto dos clubes que militam no Campeonato Nacional de Séniores, verba que é ‘cortada’ caso o número de atletas exceda esta lei, que foi constituída pelo Governo Regional em 2014.

“Temos esperança de mostrar ao Governo que isso não é uma boa solução para quem quer investir e para quem quer valorizar a ilha”, aludiu o investidor, que vai passar a residir na Madeira já este ano, conforme o próprio adiantou.

A formação camachense será reforçada a partir da próxima semana e Maniche não avançou com nomes, mas deu a garantia que chegam. “Queremos estabilizar a equipa este ano e ficar numa boa classificação. Todo o cuidado é pouco este ano. O meu objectivo é subir a Camacha à II Liga, mas há um longo caminho pela frente”, disse.

Aposta na caridade e Saúde

Ainda sobre o encontro com Miguel Albuquerque, Maniche informou que a Camacha está a desenvolver alguns projectos nas componentes sociais e na Saúde, ajudando mais concretamente, e numa primeira instância, o Bairro da Nogueira, passando depois para o resto da ilha.

“São projectos que passam por levar alimentos e agrupar esses alimentos nos próprios supermercados e restaurantes, e levar em mão às casas de famílias mais desfavorecidas. Na Saúde também temos um projecto (...) porque achamos que, não só o Bairro da Nogueira, mas também a ilha da Madeira, tem problemas de Saúde, inclusivamente obesidade”, disse.

Outras Notícias