Mais de 500 inspecções de controlo sanitário nos portos e aeroportos

Região apresenta “Maior capacidade analítica” do país: 105.733 Análises a pesticidas

16 Jul 2017 / 02:00 H.

A Secretaria Regional de Agricultura e Pescas (SRAP) realizou em 2016 mais de meio milhar de inspecções de controlo sanitário a produtos vegetais que chegam à Madeira por via aérea e marítima.

Só em 2016, a Direcção Regional de Agricultura efectuou 552 acções inspectivas no Aeroporto Internacional da Madeira e junto da Alfândega do Porto do Funchal. Os técnicos da SRAP analisam a existência de organismos nocivos nomeadamente a presença de químicos, pesticidas, parasitas, doenças ou pragas nos bens vegetais que chegam à Região, tais como horto-frutícolas e plantas para a horticultura, floricultura e floresta. O objectivo é garantir a protecção ambiental e a segurança alimentar.

Para além destas, há acções inspectivas na área da pecuária. Das 51 visitas ao Aeroporto da Madeira para controlar a entrada de animais de companhia que chegaram à Região fora do espaço comunitário, 24 eram oriundos da Venezuela. Também por via marítima, a Direcção de Serviços e de Alimentação e Veterinária foi chamada a realizar cinco inspecções a animais domésticos.

Mas o controlo sanitário de animais é bem mais vasto. Em 2016, os técnicos da pecuária identificaram 1.492 animais vivos que entraram na Região com destino a diversas explorações. Um trabalho que se estende ao matadouro (Centro de Abate da Região), onde em 2016, foram inspeccionados 4.844 animais na maioria bovinos para além de 2.361.436 aves no matadouro da Sodiprave.

Um trabalho que nem sempre é visível, mas que agrega grande responsabilidade, além de ser um objectivo do Programa de Governo, conforme assinalou Humberto Vasconcelos ao DIÁRIO. O secretário regional de Agricultura e Pescas, classifica de “louvável” o esforço inspectivo levado a cabo pelos funcionários da Secretaria e que se estende à Direcção de Serviços e de Alimentação e Veterinária.

Os números das análises laboratoriais são, de resto, elucidativos. As inpecções levadas a cabo em 2016, resultaram em 3.430 análises de microbiologia e veterinárias e 105.733 análises a pesticidas (293 de diferentes substâncias) a partir de 401 amostras. De acordo com a SRAP, esta é “a maior capacidade analítica a nível nacional”.