Madeira vai ter mais duas mercearias sociais

As actuais duas já ajudaram mais de 100 famílias com 29 toneladas de alimentos

13 Jul 2018 / 02:00 H.

As mercearias sociais são um projecto do Banco Alimentar, que o Governo Regional da Madeira apoia e que tem tido bastante sucesso em dois bairros do Funchal, ajudando mais de uma centena de famílias às quais entregaram até Junho um total de 29 toneladas de alimentos.

Num balanço dos oito meses desde a abertura da primeira loja em Santo António, a secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais elogia o Banco Alimentar e as duas instituições associadas - Associação de Desenvolvimento de Santo António e Associação Luís de Camões -, que contribuem para o bem-estar de famílias carenciadas dessas comunidades.

Segundo Rita Andrade, o sucesso das duas mercearias sociais que estão em plena operação e funcionamento, levam a projectar a criação de mais duas unidades já este ano, sendo certo que quando foi lançado o conceito a ideia era ter cinco em funcionamento até 2019.

Na reunião do grupo de trabalho que coordena o projecto, realizada ontem, concluiu-se que este é “um projecto completamente positivo junto das comunidades onde se inserem” (Bairro da Ribeira Grande, em Santo António, e Bairro do Hospital, em São Pedro), funcionando para a comunidade mas atendendo famílias de outras zonas e freguesias, mas também crescendo no sentido de uma horta social (em Santo António) com “produtos frescos em quantidades interessantes”, além de funcionar em regime de ‘créditos por família’ e entrega diária de excedentes alimentares.

“Hoje avaliamos o que fizemos e perspectivas de futuro”, frisou a governante, que anunciou que “haverá condições de duas novas instituições se juntarem e poderem abraçar este projecto das mercearias sociais, designadamente a Presença Feminina e a Casa do Povo de Água de Pena, que seria a primeira fora do Funchal, mais precisamente em Machico e funcionando no Bairro da Bemposta.