Madeira é o melhor sítio para se criar empresa tecnológica

Pedro Calado visitou instalações da Nearsoft solutions

16 Mai 2018 / 02:00 H.

“A Madeira é o melhor sítio para se criar uma empresa tecnológica” porque nesta área competitiva, além da muito boa qualificação que é ministrada na Região, ser ilhéu acaba por ser uma vantagem, porque “o grande factor de sucesso é a retenção de conhecimento”, considerou Pedro Camacho, sócio gerente da Nearsoft solutions, empresa madeirense que já marca presença em diversos países da Europa, América, África e Ásia.

A opinião do empresário madeirense, já com 20 anos de experiência no ramo, foi manifestada durante a visita do vice-presidente do Governo Regional às instalações da empresa tecnológica. De tanto gostar do que ouviu, Pedro Calado pediu ao anfitrião que repetisse a afirmação que coloca a Região em plano de destaque. Depois retribuiu o elogio, enaltecendo a aposta de dois investidores madeirenses pela coragem de “pensar fora da caixa” e pelo “arrojo de formar a sua própria empresa”, actualmente com 12 colaboradores. Congratulou-se também com a aposta além-fronteiras, salto que veio ajudar a ter um volume de facturação mensal a rondar os 100 mil euros.

“Isto é um sinónimo que as nossas empresas efectivamente têm tido a capacidade e têm aproveitado aquilo que tem sido uma aposta do GR que é a inovação, a tecnologia, a informatização e a robotização”, sustentou. Motivo para reforçar que o projecto Brava Valley e a aposta nas novas tecnologias “não aparecem por acaso”.

No caso da Nearsft solutions, para além “da competência e da capacidade técnica”, Pedro Calado ficou particularmente agradado com “a valorização dos recursos humanos”, ao tomar conhecimento da forma como são tratados os colaboradores, “um exemplo”, disse.

Motivo de satisfação foi saber que a empresa já tem “clientes de renome”, lembrando o caso de Cabo Verde, onde a empresa desenvolve um projecto relacionado com o cartão de cidadão, “motivo de grande orgulho para a RAM”, sublinhou.

Com presença assegurada na próxima Web Summit, onde deverá apresentar um dispositivo para invisuais, levaram Pedro Calado a acentuar que “somos capazes de desenvolver empresas tecnologicamente avançadas”.