Ladrão ‘pesca’ toalha Bordado Madeira

13 Mar 2018 / 02:00 H.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) está a investigar a autoria de um assalto perpetrado numa loja de souvenirs, localizada na Rua João de Deus, no Funchal.

Segundo o DIÁRIO apurou, o assalto aconteceu durante a madrugada. De acordo com o proprietário, o ladrão utilizou uma técnica habilidosa e pouco usual mas, ao que tudo indica antiga, para furtar uma toalha Bordado Madeira que estava exposta na montra deste estabelecimento comercial.

Terá forçado a porta de vidro da montra ao ponto de conseguir abrir uma brecha suficientemente larga para passar um arame e ‘pescar’ esta toalha que estava presa por alfinetes no expositor. Um artigo que, segundo o dono da loja, custa à volta de dois mil euros, pois “é uma toalha bastante trabalhada feita de linho e organdi suíço”.

Quando chegou à loja, na manhã seguinte, a funcionária apercebeu-se que a toalha não estava na montra e informou o patrão, que de imediato contactou a Esquadra da Polícia de Segurança Pública do Funchal.

Os agentes policiais deslocaram-se ao local e recolheram elementos para a investigação, nomeadamente impressões digitais, na tentativa de apanhar o autor do furto desta loja que abriu portas há cerca de 50 anos.

Método pouco usual, mas antigo

O proprietário revelou ao DIÁRIO que esta não é a primeira vez que é assaltado. Em tempos, um indivíduo partiu uma das montras em vidro e furtou várias garrafas de Vinho Madeira mas, entretanto, foi apanhado pela Polícia. Houve ainda uma outra toalha Bordado Madeira que foi levada, tendo o meliante recorrido também a um arame para furtá-la.

Como referido acima, esta técnica habilidosa tem sido utilizada para vários furtos na baixa da cidade do Funchal. Tal como já foi noticiado pelo nosso jornal, há alguns anos houve também um assalto a uma loja de bijuteria, onde, através deste método, o ladrão subtraiu um relógio de senhora e ainda um número desconhecido de pulseiras que se encontravam no expositor.

Outro caso noticiado foi o de um indivíduo que utilizou um arame para ‘pescar’ pólos de uma loja de pronto-a-vestir, no Funchal.