“Já fui um conquistador” relança Filipe Menezes

“Quem tudo promete é porque tem ideia de nada fazer”, atirou o autarca candidato

17 Jul 2017 / 02:00 H.

Ainda ecoavam os últimos acordes do sucesso “Já fui um conquistador” dos Da Vinci, que o mandatário para a juventude da candidatura de Filipe Menezes de Oliveira subiu ao palco, no Largo das Palmeiras.

Coube por isso a João Melim a primeira apresentação da noite que levou até ao Largo das Palmeiras, algumas centenas de socialistas, curiosos, simpatizantes e mesmo figuras porto-santenses, ligadas a outras correntes político partidárias. Com um discurso virado para a cidadania e o futuro, o mandatário desafiou os jovens a envolverem-se na política, num exercício de “cidadania complexa, catalisadora de políticas de transformação” e prometeu a constituição de um grupo de trabalho que possa” atrair, fixar e reforçar” o papel da juventude porto-santense.

Quanto aos cabeças de listas da candidatura do partido socialista aos três órgãos autárquicos, Miguel Brito começou por defender “a implementação de um orçamento participativo” com particular impacto na vertente social, cultural, da educação, do desporto e da saúde. Com o candidato à única Junta de Freguesia da ilha a prometer estabelecer pontes com outras freguesias regionais e nacionais.

Já a candidata à presidência da Assembleia Municipal prometeu introduzir uma nova dinâmica naquele órgão. “Acredito que possuo as qualidades necessárias para credibilizar a nova Assembleia Municipal”, disse. Antiga funcionária de uma agência de turismo, Paula Pestana Vicente, anunciou a criação de uma página na internet, onde todos os munícipes se possam inteirar dos assuntos que dizem respeito àquele órgão e “receber os munícipes mediante pedido fundamentado”. Assumida como uma homenagem ao seu pai, a candidatura ao mais alto cargo autárquico prometeu, enfim, tratar com imparcialidade todos os deputados municipais.

Filipe Menezes de Oliveira, o actual presidente do município, começou por fazer um balanço ao mandato que agora está a terminar, defendendo a gestão rigorosa, responsável, competente e transparente, que passaram pela defesa dos trabalhadores do município, melhorias do património e pagamento das dívidas herdadas do partido Social Democrata.

Na sua recandidatura, Menezes de Oliveira defendeu como prioridades a educação. A saúde, a habitação, a segurança, o ambiente e a cooperação e o diálogo com as entidades regionais e nacionais e prometeu “ouvir a sociedade civil em reuniões e fóruns para a discussão de ideias para o futuro”. E lançou o repto, “quem tudo promete é porque tem ideia de nada fazer”, desafiando os adversários para um debate e confronto de ideias, sem no entanto “transformar a política numa guerra”.

Coube ao presidente do Partido Socialista-Madeira, encerrar a apresentação oficial. Carlos Pereira defendeu a gestão do seu candidato, criticando as “marteladas” dos executivos anteriores.