GESBA distribui

21 Mar 2017 / 02:00 H.

O GR vai entregar, já no próximo mês, cerca de 400 mil euros dos lucros da banana aos produtores. Quase 2 cêntimos por cada quilo entregue na GESBA, que é agora distribuído em função das quantidades entregues por cada bananicultor.

Anuncio feito ontem pelo secretário regional da Agricultura e Pescas, à margem das actividades alusivas ao Dia do Agricultor, realizadas na Escola da APEL.

Depois de reafirmar que o sector da banana está estável e os lucros obtidos pela GESBA são também “a garantia que a sustentabilidade da empresa está assegurada”, Humberto Vasconcelos assegurou que “já no mês de Abril” todos os produtores de banana vão receber “um pagamento face ao valor comprado no ano anterior”, referindo-se aos cerca de 400 mil euros dos ganhos que é para distribuir aos agricultores “conforme prometido pelo GR, que demonstra bem que o que nós queremos é que os lucros sejam distribuídos”, salientou o governante com a tutela do sector. Que fez também questão de lembrar que “actualmente a GESBA encontra-se numa fase de alguns investimentos que são estruturantes para o sector assim como, ainda se encontra a pagar a dívida deixada pelas duas cooperativas e assumidas pelo GR”, o que ainda assim não invalida que parte dos lucros seja distribuído pelos produtores de banana, que dentro de dias vão receber o equivalente a “quase dois cêntimos por quilo”, de acordo com os montantes adquiridos pela empresa pública de gestão do sector da banana.

Este é o resultado de um “sector que está muito bem organizado” e de uma empresa “que é gerida para dar lucro”, mantendo o preço pago aos produtores, o que “demonstra o esforço que a empresa tem feito”, considera. Mais ainda tendo em conta que em 2016 “os fundos comunitários, em Outubro, foram gastos”, referindo-se aos 8 milhões de euros que no início do último trimestre já estavam “distribuídos por todos os agricultores”. O que obrigou a GESBA a ter “de assumir um milhão de euros nos meses de Novembro e Dezembro para garantir o preço, esforço financeiro que implicou uma redução nos resultados a distribuir pelos agricultores”, justificou.

Quanto ao rendimento pago ao agricultor, está assegurado, garante, ao prometer que o preço praticado é para continuar este ano. “Apesar de ter descido para 39 cêntimos os fundos comunitários”, ressalvou.

De resto, o modelo de gestão que acontece na banana deverá agora estender-se a outros sectores, com a anunciada [na Festa da Anona] criação de uma nova empresa pública de gestão de produtos regionais.

Ontem o governante deu mais uma achega: “Não é por acaso que noutras áreas de produções agrícolas há um conjunto de agricultores que tem manifestado o interesse que haja organizações por forma a escoar o seu produto” através de um modelo onde “há garantia do pagamento a tempo e horas e do escoamento do produto” e um “controlo de qualidade muito mais apertado”, que responde às exigências do mercado.

Outras Notícias