Futebol também é solidário

afm e marítimo entregaram ontem um cheque de 6.250 euros à liga contra o cancro

21 Dez 2017 / 02:00 H.

Os presidentes da Associação de Futebol da Madeira (AFM) e do Club Sport Marítimo entregaram ontem um donativo ao Núcleo Regional da Madeira da Liga Portuguesa Contra o Cancro, no valor de 6.250 euros, proveniente da receita gerada no jogo particular entre Portugal e a Suécia, que se realizou no passado dia 28 de Março, no Estádio dos Barreiros.

“A partir do momento em que foram criadas novas infra-estruturas, com capacidade para se disputarem jogos de âmbito internacional na Madeira, nomeadamente da principal selecção nacional, foi possível trazermos um jogo particular, entre Portugal e a Suécia, em que a Federação, Associação e o Marítimo decidiram que as receitas seriam para instituições de solidariedade social”, explicou Rui Marote, presidente da AFM, sublinhando que os donativos já poderiam ter sido entregues há mais tempo. “Mas aproveitamos para que fosse nesta quadra, na qual a solidariedade deve ser maior, para entregamos uma das partes à Liga Portuguesa Contra o Cancro, porque o futebol também é solidário”, vincou o dirigente associativo.

Por sua vez, Carlos Pereira fez questão de afirmar que “o futebol profissional tem sido ao longo dos anos tem sido muito solidário para com as instituições”, realçando também que “o futebol contribui para uma melhor saúde, melhor educação e melhor actividade”.

Posto isto, o presidente do Marítimo destacou que só com boas infra-estruturas se conseguem trazer espectáculos de nível internacional à Região, sublinhando que o Estádio do Marítimo e o Complexo do Marítimo foram construídos para proporcionar mais-valias a instituições de solidariedade social. “É obrigação do Marítimo contribuir para atenuar ou para melhor a condição da saúde, da educação e do bem-estar. Portanto, perante todo o ruído que se faz à volta do futebol, tenho a liberdade, o à-vontade e a liberdade para dizer que contribui muito para o orçamento da Região, o orçamento do desporto. Não andamos a vender uma imagem ou ilusões, contribuímos de forma verdadeira”, atirou Carlos Pereira, considerando que “muito ainda se pode fazer para atenuar aquilo que deve ser o bem-estar dos outros”. “Temos o dever de dar algumas horas dos nossos dias para as causas públicas e esta é de facto um exemplo, de amor e paixão. Por isso contem connosco”, afirmou.

Grato, o presidente do Núcleo Regional da Madeira da Liga Portuguesa Contra o Cancro agradeceu o “importante contributo”. “Muito obrigado pela generosidade, não só destas duas instituições como também à população em geral por tudo o apoio que nos dão”, vincou Ricardo Franco, explicando que a instituição a que preside “vive de donativos, sem subsídios, que são determinantes”. “Este cheque vem num momento super-importante, numa fase em que temos muitas dificuldades para apoiarmos as 230 famílias que ajudamos mensalmente”, disse Franco, alertando para o facto da incidência do cancro estar a aumentar. “Por isso, precisamos de mais apoios, para podermos ajudar, algo que nos dá muito orgulho”, vincou.

Amanhã, a AFM e o Marítimo vão entregar nos Centro Social e Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua um outro donativo, a 29 de Dezembro, no intervalo do jogo entre o Marítimo e o União, será entregue um outro cheque à Fundação Marítimo, que visa apoiar 20 alunos com bolsas de estudo, existindo ainda mais um donativo para ser entregue ao Centro de Apoio dos Sem-Abrigo.