Fundação PT assegura mais inclusão na Madeira

asdasd

20 Mai 2017 / 02:00 H.

A Fundação PT comprometeu-se ontem a continuar a apoiar os projectos ‘Todos Podem Ler’ e ‘Teleaula – Aprender Sem Barreiras’, iniciativas orientadas para as escolas e alunos da Madeira no sentido da inclusão, o primeiro especificamente para alunos com necessidades especiais, o segundo para todos aqueles que por doença não se possam deslocar às aulas. Ambos são realizados em parceria com a Secretaria Regional de Educação.

‘Todos Podem Ler’ teve início em 2009/10 e é apoiado pela Fundação PT desde 2014/15. O objectivo é criar bibliotecas inclusivas, dotadas de equipamento informático para a promoção da leitura e da escrita para alunos deficientes. A Fundação quando entrou estava em quatro escolas, hoje está em 12, abrangendo cerca de 1.100 alunos na Madeira. No todo nacional, Graça Rebocho, directora de Formação da Fundação, diz que em projectos semelhantes chegam a 6.400 alunos de 460 instituições de ensino e a mais de 200 bibliotecas.

Para complementar este trabalho, a Direcção Regional de Educação aposta nos Ebooks - Leitura Inclusiva, uma colecção de 21 e-books originais que incluem versões acessíveis, dois dos quais apresentados ontem na cerimónia que decorreu na Escola Bartolomeu Perestrelo.

Quanto ao ‘Projeto Teleaula – Aprender Sem Barreiras’ também vai seguir com apoios, agora de uma forma melhorada. Graça Rebocho revelou que o sistema foi aperfeiçoado e além de estar disponível em qualquer computador com acesso à Internet, está também com mais qualidade de imagem graças à câmara de alta definição. O compromisso assumido em 2013/2014 foi de chegar a 20 escolas. Estão nas 12 e a Fundação vai continuar a ajudar, garantiu a porta-voz, fornecendo a plataforma e o equipamento.

O secretário da Educação também esteve presente e reforçou o compromisso do Governo Regional em promover as condições para que todos aprendam, ainda que de forma diferente e a diferentes ritmos. “A inclusão não é algo que se procura, é algo que se praticamos”, afirmou Jorge Carvalho.

Outras Notícias