Fátima Lopes e Nini homenageadas

Nini está a criar colecção dedicada à Madeira para a marca Vista Alegre

28 Dez 2017 / 02:00 H.

São as únicas mulheres no meio de dezasseis homens: as fotografias de Fátima Lopes e de Nini Andrade da Silva já integram o grupo de homenageados do renovado núcleo museológico ‘O Lyceu’, criado para as comemorações do 180 anos da Escola Secundária Jaime Moniz, a mais antiga do país.

Dispostas logo à entrada do núcleo museológico, estão molduras com fotografias de Jaime Moniz, claro, mas também de Luís da Câmara Pestana, Vírgilo Teixeira, Irineu Barreto, Miguel Albuquerque ou Alberto João Jardim, entre outros ex-estudantes do Liceu Jaime Moniz. Inaugurado em inícios de Outubro, “O Lyceu” ganhou agora mais duas molduras, desta vez com as imagens da estilista e designer de interiores madeirenses, ambas ex-alunas do Escola Secundária Jaime Moniz, que têm trabalhos reconhecidos e espalhados pelo mundo fora (e que, por isso, não puderam estar presentes na inauguração a 4 de Outubro).

Diz Nini Andrade da Silva: “Quase tudo o que aconteceu na minha vida estava à espera, mas esta não esperava. Foi uma surpresa. E foi bonito acontecer hoje: é o dia de anos do meu pai, que já morreu, mas que também estudou aqui. Para ele deve ter sido uma alegria saber que isto está a acontecer”, sublinhando que esta homenagem tem um sabor diferente: “Todas as coisas têm muito valor, mas esta tem um grande valor porque é a nossa casa. E onde é a nossa casa é sempre diferente. O Liceu é a minha casa. É uma grande honra, saio daqui com muita alegria”.

Jorge Moreira saudou as profissionais: “Ilustres convidadas, ex-alunas do Liceu, pelo prestígio, pela excelência que alcançaram. São figuras regionais, nacionais e até internacionais, disse o presidente do Conselho Directivo da escola, acrescentando que além de enaltecer o papel das ex-alunas, acredita que serão um modelo para os alunos: “No fundo, qualquer jovem pode alcançar aquilo que a Fátima e a Nini Andrade da Silva conseguiram. Com trabalho, esforço, dedicação e objectivos. É exactamente um estímulo.

Nini Andrade da Silva aproveitou a deixa para falar sobre ter fé: “[Estimular] e acreditar mais. O que falta nas pessoas é acreditar. Felizmente, e penso que a Fátima tem mesma ideia que eu, nós sempre acreditamos”.

A estilista concorda e acrescenta outros ingredientes indispensáveis para alcançar o sucesso: “Acreditámos e tivemos consciência de que é preciso ir à luta. Não podemos ficar à espera que as coisas caiam do céu porque isso não acontece, nem aqui nem em parte nenhuma do mundo - sobretudo quando nós nascemos num sítio pequeno. Temos consciência que a nossa dimensão é muito pequena: se há sonhos e objectivos temos que ir à luta. É sempre importante e fundamental manter um ‘pezinho’ na nossa terra, mas temos que ter noção que temos que dar o passo maior e acreditar em nós: metade é talento e metade é trabalho”.

Próximos passos

Fátima Lopes estará ocupada com a nova colecção Primavera/Verão, que levará a Milão, Paris e Lisboa, entre outros. Já Nini Andrade da Silva avança que, entre outros trabalhos, está a colaborar com a marca Vista Alegre numa colecção Bordallo Pinheiro inteiramente dedicada à Madeira: “É a Madeira no seu melhor. Quando cheguei lá com um cacho de banana prata foi tão bonito ver todos a olhar para aquilo. Não é normal numa cidade grande, nem ver a flor da bananeira. São lindas de morrer”, conta a designer. Já os madeirenses, têm de aguentar a curiosidade até 2018, altura em que a colecção ficará concluída.