Expulsões e eleições agitam PSD-M

Secretariado do PSD-M adianta que são 40 os elementos que foram expulsos

06 Dez 2017 / 02:00 H.

“Obrigado, foi um prazer, mas a partir de agora não contamos mais consigo. Adeus”. Esta poderia ser uma das frases escolhidas pelo Secretariado do PSD-M para agradecer os anos de militância e de dedicação ao partido, e da mesma vez ‘despachar’ o correligionário. É que este órgão social-democrata tem tudo preparado para informar às cerca de quatro dezenas de militantes que vão ter de deixar os quadros do partido. Tudo por causa de terem participado em listas de candidatos oponentes aquando da realização das últimas eleições autárquicas.

O cruzamento das informações com documentos de candidatura de 1 de Outubro está feito pelos serviços do partido da Rua dos Netos, embora alguns dos cabeças-de-listas social-democratas considerem que este número fique curto face àquilo que assistiram durante a campanha eleitoral.

Rui Abreu recorda que “os estatutos são claros” ao mencionarem que “as expulsões são automáticas” para os que aceitaram concorrer contra o seu próprio partido. Que tenha conhecimento, sublinha o dirigente ao nosso jornal, “são menos de meia centena de militantes” que assinaram propostas de candidatura independentes ou de outros partidos.

Afirma ainda que não sabe qual vai ser a forma de comunicação. De duas, uma: “Ou será por telefone ou por carta. Em princípio será por telefone”, adianta a opção escolhida para dizer ‘bye bye’ aos 40 militantes que resolveram enfrentar companheiros no último acto eleitoral, nada que não soubessem que este desfecho iria, mais tarde ou mais cedo, acontecer.

Eleições esta tarde

Por falar em eleições, de acordo com o Secretariado do PSD-M, apenas oito (Porto da Cruz, Santa Maria Maior, Santa Cruz, Porto da Cruz, Tabua, Ribeira Brava, Serra de Água e Ponta do Sol) das 54 freguesias que vão a votos ao final da tarde de hoje, para elegerem as respectivas comissões políticas, vão ter a opção de escolha, as restantes 46 terão uma lista de consenso, ou seja, uma candidatura única.

No entanto, o caso mais paradigmático surge no concelho da Ribeira Brava. Das quatro localidades, em duas advinha-se disputa renhida. Aquela que suscita maior curiosidade reside na Serra de Água. Rui Gouveia (ex-vereador) e Jorge Santos (ex-presidente de Junta) contam ‘espingardas’. Mais curioso será verificar se o treinador do Ribeira Brava vencerá o presidente do clube e qual será o relacionamento depois deste acto eleitoral interno que poderá ter outros contornos.

Na Ribeira Brava, Clara Tiago (deputada) volta a disputar a comissão política tendo do lado oposto, Sílvio Fernandes. A advogada tem novo ‘tira-teimas’ com o jovem engenheiro que pretende afastá-la da presidência, uma situação que poderá não ser tão fácil quanto isso, na medida em que a social-democrata é tida por dominar uma franja significativa dos militantes da localidade. De resto, Marcelino Pereira (ex-vereador) e Hernâni Gomes (ex-secretário-geral da JSD-M) estão na sua lista.

Na Tabua reside o caso mais caricato, uma vez que a lista de Irene Rodrigues é acusada de ter elementos apoiantes da candidatura independente de Ricardo Nascimento. Isso mesmo terá sido participado ao Secretariado do PSD-M que tentava descortinar ligações a Nascimento que, por via da sua candidatura no movimento de cidadãos, é o rosto mais mediático das expulsões que vão acontecer no município.

Vazio na concelhia

Para resolver está o vazio na presidência da concelhia que vinha sendo liderada por Ricardo Nascimento, porém com a sua eleição à Câmara pelo movimento Ribeira Brava Primeiro surgem especulações sobre quem poderá entrar na disputa pelo lugar.

A Leste pelo poder

Em Santa Cruz, Sidónio Fernandes e Agostinho Alves vão a votos. Ambos com ambição nesta liderança disputam taco-a-taco a comissão. Logo à tarde saber-se-á quem larga os ‘foguetes’ e quem apanha as ‘canas’

Mais afastado deste ponto, no Porto da Cruz, Gil Zacarias e Eugénio Lemos pretendem liderar a freguesia.

Rui Marques activo

O ex-presidente da Câmara Municipal da Ponta do Sol, Rui Marques, vai disputar a comissão de freguesia da Ponta do Sol, porém, nos Canhas houve desagrado por terem surgido 30 novos militantes inscritos, alegadamente depois da data de encerramento dos cadernos. João Alberto Loreto tem caminho livre para ser líder da comissão.

Outras Notícias