Este é o Dia Mundial das Trocas

Logo a seguir ao dia de natal começa a confusão das trocas nas lojas

27 Dez 2017 / 02:00 H.

26 de Dezembro continua a ser o dia das trocas na Madeira, sobretudos nas lojas dos centros comerciais.

Depois da alegria em dar e receber prendas no dia de Natal, nem todos gostam do que recebem. Oferecer uma prenda implica muitas vezes acertar no tamanho, na cor favorita ou no estilo, mas quando isto falha, a solução é ir à loja trocar.

O dia 26 de Dezembro é o dia escolhido pelos madeirenses para as trocas. Uns correm até à loja na esperança de ainda encontrarem o mesmo artigo em outros tamanhos, outros optam por uma peça diferente da que receberam. Depende muito do gosto do cliente. Mas é sobretudo nos centros comerciais que as pessoas se concentram na ‘primeira oitava’.

O Madeira Shopping é talvez o síio que mais pessoas recebe neste dia. São centenas de madeirenses e estrangeiros que aproveitam o feriado para saír em família e juntao o útil ao agradável, trocando as prendas nas diversas lojas do centro. O mesmo aconteceu no Fórum Madeira e no La Vie. Algumas lojas entraram ontem em saldos, outras mantiveram as promoções, dando mais motivos para visitarem e passearem pelas lojas.

Na Baixa do Funchal o cenário era bem diferente com poucas lojas de comércio tradicional abertas ao público sem afluência de clientes. Por esta razão alguns comerciantes de pronto-a-vestir acham que não se justifica abrir o negócio a 26 de Dezembro porque as pessoas querem passear e ver preséprios.

Na rua Fernão de Ornelas, a encarreada de loja da ‘Tezenis Underwear’ confirma que o dia das trocas é apenas a 27 de Dezembro. “As pessoas acham que a loja está fechada a 26 e como é feriado acabam por não vir para a baixa do Funchal”. O quebra-cabeças das trocas é só no dia seguinte (hoje) com a loja a receber qualquer artigo, desde que tenha etiqueta e talão. “Trocamos qualquer peça, até o íntimo (cueca e soutiã) desde que não tenham sido usados, um direito que esta marca dá ao cliente”, revela Sandra Pereira. Nesta altura do ano os produtos mais vendidos são os pijamas, masculinos e femininos, e peças íntimas, compradas por marido e namorados. “Este ano houve uma evolução porque eles precisaram menos da nossa ajuda na escolha da peça, já sabem qual o tamanho do soutiã ou o tipo de cueca que a mulher ou namorada gosta”, diz, admitindo que perguntam sobre as cores que estão na moda por ser um assunto que nem todos domimam.

Mais à frente, na Rua do Aljube, a Zara tinha as portas abertas mas a afluência de clientes era fraca. “Hoje vão todos para o Fórum ou o para o Madeira Shopping porque é lá que se concentram as pessoas neste feriado” diz a lojista Marta Fernandes, confirmando que é nessas lojas que acontecem a maior parte das trocas, no dia 26, um dia de muito movimento e de alguma azáfama nas superfícies comeriais.

No ‘La Vie’, o shopping do centro da cidade do Funchal, o movimento era maior do que o registado nas ruas. Os clientes são sempre bem-vindos, mas no dia 26 de Dezembro, muita gente nas lojas significa algumas dores de cabeça para quem lá trabalha. “Parece o dia mundial das trocas”, dizia um lojista que não se quis identificar. “As pessoas estão no seu direito, mas parece que vêm todas no mesmo dia”, lamenta, para depois compreender a correria. “Como é uma altura de muitas vendas, temem que o produto acabe depressa”.

As lojas de pronto-a-vestir tinham mais cliente do que as outras. Uns só agora compravam as prendas, à espreita dos saldos e das promoções, outros procuravam fazer uma troca ou devolução. Nesta questão, cada loja trabalha de forma diferente. Há umas que aceitam trocar o artigo por outro, outras concordam em devolver o dinheiro.

A gerência da ‘Springfield’ já sabe que neste dia o movimento é diferente do habitual, com as trocas a prevalecerem sobre as vendas mormais. Nélio Rosário tinha feito cerca de 31 trocas, número que certamente iria aumentar até ao final do dia. “Uns trocam por tamanhos diferentes, outros porque não gostaram da peça, mas seja qual for a situação, há sempre forma de agradar o cliente”, diz o gerente que procura sempre satisfazer ambas as partes.

A ‘Women’Secret’ também elege o dia 26 como o ‘Dia Mundial das Trocas’ . “Depois de receberem as prendas, as pessoas vêm logo à loja porque acreditam que ainda há qualquer coisa do seu tamanho que possam optar” diz Carmen Figueira. A lojista adverte para as restrições próprias deste tipo de produtos íntimos, não trocando cuecas, lingerie nem boxers. O pijama é o artigo mais trocado. Neste Natal, as prendas compradas pelos homens incidiam em algo sexy. “Apesar de alguns terem optado por umas pantufas ou uma gola, acrescentavam sempre qualquer coisa sexy.

Na ‘Columbia’ o dia também foi de muitas trocas, sobretudo na loja do Madeira Shopping. A do La Vie regista sempre menos pedidos. “Provavelmente desta vez as pessoas acertaram nas compras”, diz Filipa Nóbrega. A técnica de vendas revela que apesar de ser um dia de muito trabalho, “faz parte da quadra e já estamos preparados para isso”.

Na ‘Pepe Jeans’ há sempre um reforço de pessoal no dia 26, dada a afluência de pessoas que vem à loja para efectuar trocas. “Parece que esperam que os shoppings abram para vir às lojas enquanto ainda há tamanhos disponíveis, sobretudo se gostam do artigo” confirma Renato Brito, gerente da loja que acaba por não ter mãos a medir desde a altura em que o shopping abre até ao seu encerramento. Este ano aponta para num aumento de 40% de trocas em relação aos anos anteriores. “Um valor que leva a crer que houve mais compras de última hora e não tão bem pensadas”, diz, salientando o esforço em encontrar uma solução válida para cada situação.

Outras Notícias