Ele era ela

A Madeira está mais aberta
à diversidade: 2018 foi o ano com mais pedidos para mudar de género no registo civil. Todavia, os transexuais madeirenses carecem de cuidados de saúde específicos

16 Set 2018 / 02:02 H.

Imagine viver num corpo com o qual não se identifica. De uma forma simplista é isso que acontece com um transexual. Nada tem de simplista, por oposição, o processo de reatribuição de género, como de resto nunca são simplistas as questões do preconceito e aceitação social.

Na Madeira a intervenção do Núcleo da Rede Ex Aequo (Associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, trans,...

Outras Notícias