Sol e crianças

Princesas e heróis desfilaram ontem na placa central no Carnaval das Escolas

10 Fev 2018 / 02:00 H.

O tempo ajudou e o desfile de Carnaval das Escolas do Funchal saiu à rua, numa ensolarada manhã sexta-feira, onde não faltaram Elsas, palhaços, hippies, bombeiros e joaninhas, num total de 1600 crianças, que fizeram as delícias de locais e turistas.

Steve e Janice vêm do Reino Unido e, embora não seja a sua estreia de férias em solo insular, foi à terceira que ‘descobriram’ (de vez) o Carnaval da Madeira. “É fantástico! As crianças estão muito bonitas”, dizem-nos, deixando na perspectiva a hipótese de regressar nos próximos anos.

“Aproximar alunos, turistas e locais” no espírito carnavalesco é, de resto, o objectivo desta iniciativa promovida pela Direcção Regional do Turismo, explica Carlos Aveiro, professor na Escola Profissional Atlântico e representante da empresa de animação turística Macro Anima (que, em parceria com o Centro Comercial ‘La Vie Funchal’, fizeram parte da animação do evento).

As crianças concentraram-se na Sé, às 10 horas, seguindo em desfile pela placa central da Avenida Arriaga, até ao palco localizado no Jardim Norte do Palácio de São Lourenço.

Desde os ‘pequenitos’ que vieram só para ver, passando pelos meninos do primeiro ao quarto ano que participaram no cortejo, até aos adolescentes da Escola Profissional Atlântico, ninguém quis ficar de fora.

É o caso da ‘Elsa’ Matilde do Mar (5 anos), que mesmo não tendo participado no cortejo por estar doente, não quis deixar de assistir juntamente as primas, Madalena (8 anos) e Maria do Mar (10 anos), trajadas à hippie e à Charlie Chaplin.

Francisco tem sete anos e, disfarçado de palhaço, já é o ‘rei’ das atenções da Banda Filarmónica do Caniço e Eiras que também veio ajudar à festa.

Já o João tem apenas dois aninhos e exibe a sua segunda profissão. Este ano é um ternurento bombeiro, depois de no ano passado ter encarnado um ‘mini-cozinheiro’.

Leonor, a mais novinha (1 ano), é uma joaninha que vai perdendo a timidez à medida que pousa para a fotografia.

Tudo isto entre risos, balões, confettis e muitos pais ‘babados’.