‘Ventos e táctica’ na ordem do dia da Transquadra

Velejadores da Transquadra ultimam os pormenores para a despedida

09 Fev 2018 / 02:00 H.

A pouco mais de um dia para a tão desejada largada da segunda etapa da Regata Transquadra, a marina da Quinta do Lorde vive momentos de grande azáfama e de muito convívio.

Os cerca de 150 velejadores, amadores e com idades superiores a 40 anos, preparam da melhor forma as suas embarcações para a longa travessia no atlântico, que os levará até à Martinica nas Caraíbas.

Com as condições climatéricas, que se fez sentir na Madeira, principalmente durante o dia de quarta-feira e ontem, a frota da Transquadra ‘desespera’ para poder levar as embarcações para alto mar, de forma a verificar se tudo está perfeito para a largada e para a longa travessia de cerca de 2.700 milhas náuticas.

Segundo o site oficial do evento, que já vai na sua nona edição, com a Madeira a ser sempre o local escolhido para a chegada da primeira etapa e a largada para a segunda, são ambientes distintos que vivem os velejadores, alguns a mostrarem o ‘stress’ da preparação antes da largada, outros a estudar a melhor táctica para o percurso até à Martinica, bem como outros que estudam as condições meteorológicas, nomeadamente no dia da largada, que está marcado para as 13 horas de amanhã.

Referência ainda para muitos velejadores que farão a sua estreia nesta travessia no Atlântico, onde o sentimento é de algum nervosismo como também de expectativa e motivação para superar o longo percurso até Martinica.

85 embarcações na 2.ª etapa

Para esta derradeira etapa da Transquadra serão 85 as embarcações - 25 Solitários e 60 duplos-, num total de 147 velejadores, que estarão na largada de amanhã nos mares do Caniçal.

Em relação à etapa inaugural, que largou de Loriente, em França e de Barcelona, em Espanha, rumo à Madeira cinco velejadores não irão rumar à Martinica por questões pessoais, profissionais ou de saúde.

Extra competição, a Transquadra tem agendado para hoje, tal como nos dois dias anteriores, muita animação, com várias iniciativas quer das entidades organizadores, quer mesmo por parte do Governo Regional da Madeira que aliou-se, desde a primeira hora numa clara aposta de promover a Madeira, bem com os produtos regionais, num evento com grande prestígio em termos de vela internacional.