Crise foi boa para a agricultura

Em 2015 os ganhos de produção foram os melhores em 21 anos. Mas em seis anos a mão-de-obra no sector diminuiu 35,1%

19 Jan 2017 / 02:00 H.

Não, não há mais pessoas a trabalhar na Agricultura. Mas há mais e melhor exploração agrícola. O tão propalado ‘regresso’ à terra de muitas pessoas apanhadas no furacão da crise, sobretudo desde 2010, não passou de miragem. Mas a verdade é que os números não mentem quanto ao aumento da quantidade e, consecutivamente, dos ganhos que o sector tem tirado de uma maior aposta na produção regional.

Segundo as ‘Contas Económicas Regionais da Agricultura’, referentes a 2015, publicadas pela Direcção Regional de Estatística da Madeira nesta terça-feira, a “produção do ramo agrícola na Região Autónoma da Madeira (RAM) atingiu os 104,4 milhões de euros”, sendo este o segundo valor mais alto em 21 anos (desde 1995), só ultrapassado por 2010, em que se obteve rendimentos da terra no valor de 104,71 milhões de euros.

Os dados provenientes do Instituto Nacional de Estatística (INE), que divulgou recentemente a informação ainda provisória de 2015, possibilita a actualização da série com início em 1995.

Da análise dos dados é assim possível concluir que, “em 2015, a produção do ramo agrícola na Região Autónoma da Madeira (RAM) fixou-se em 104,4 milhões de euros, um crescimento de 14% em termos nominais face ao ano anterior” (91,55 milhões de euros).

Pecuária sem grande expressão

Refira-se que do total da produção agrícola regional de 2015, “84,5% foi proveniente da componente vegetal e 12,2% da animal, sendo que as restantes parcelas derivaram de serviços agrícolas e actividades secundárias não agrícolas”, explica. “A nível nacional, o peso da produção vegetal foi inferior (55,9%), embora se tenha revelado também mais preponderante que a parte animal (39,7%)”.

Já “desagregando a componente da produção vegetal (cujo total foi de 88,2 milhões de euros) para a RAM, constata-se que as parcelas mais representativas foram as hortícolas frescas (23,9 milhões de euros) e os frutos subtropicais (17,8 milhões de euros)”, sendo que a “principal fatia da produção animal, cujo total foi de 12,7 milhões de euros, derivou da avicultura, que concentrou quase dois terços daquele total”.

Uma vez que à “actividade agrícola está inerente a utilização de uma série de bens e serviços que constituem os consumos intermédios”, salienta-se que “esta variável rondou os 39,9 milhões de euros em 2015 (+12,1% que em 2014 - 35,54 milhões de euros)”. E conclui: “A diferença entre produção agrícola e consumo intermédio constitui o chamado Valor Acrescentado Bruto (VAB) agrícola. Em 2015, o VAB agrícola fixou-se em 64,5 milhões de euros, crescendo 15,2% em termos nominais entre 2014 e 2015.” Ou seja, um total de VAB em 2014 de 56,01 milhões.

Menos gente na agricultura

Como referimos a abrir, ao contrário do que seria de supor, não há muito mais pessoas a trabalhar na agricultura, há é uma melhoria na produção.

De facto, durante sete anos (2008 a 2014) a mão-de-obra na agricultura regional superou as 10 mil pessoas. No ano de referência destas contas, estavam a trabalhar pouco mais de 9.710 pessoas, dos quais apenas 1.570 eram assalariados e a grande maioria 8.140 eram não assalariados.

No ano anterior, estavam no sector 10.110 pessoas como força de trabalho, 1.580 dos quais assalariados e 8.530 não assalariados. Em 2008, no ano do início da crise económica e financeira e que, alegadamente, terá levado muita gente ao desemprego e, por consequência, a procurar na agricultura uma forma de subsistência, existiam 11.240 pessoas, registando um interessante crescimento de 17,7% face a 2007 (9.250).

Em 2009 ainda registou-se um novo crescimento de 14,3% para uma mão-de-obra de 13.120 activos. Mas foi ‘sol de pouca dura’, uma vez que nestes últimos seis anos até 2015 a força de trabalho da agricultura diminuiu 35,1%.

Isto leva a concluir que, efectivamente, o ‘regresso à terra’ ficou-se pelo caminho e está bem longe dos efectivos em 1995 (não há dados anteriores disponíveis), que representam uma diminuição significativa de 53,2%.

Outras Notícias